Laranjas, laranjas e mais laranjas. Há 33 anos que laranjais em Portugal não produziam tanto

Os pomares de citrinos produziram 403 mil toneladas, em 2018, acima das 374 toneladas registadas em 2017. A entrada em produção de novos pomares ajudou a produção de laranja a atingir máximos de 1986.

A produção de laranja destacou-se pela positiva em 2018, apesar de ter sido um ano marcado por um cenário climatérico desfavorável. Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), a produção daquele citrino atingiu o valor mais elevado dos últimos 33 anos.

“Os pomares de citrinos tiveram em 2018 uma produção de 403 mil toneladas (374 mil toneladas em 2017), o que representou 6,9% do volume total de produção (5,8% em 2017). A entrada em produção de novos pomares contribuiu para este incremento, com a produção de laranja a atingir o nível mais elevado desde 1986”, refere o gabinete público de estatísticas nesta quarta-feira.

O grosso de produção de citrinos foi de laranjas. Foram produzidas 344 toneladas de laranja no ano passado, valor que compara com as perto de 320 toneladas registadas em 2017. Ou seja, um aumento de 7,5%.

No caso das laranjas temporãs, sobretudo na Newhall, a subida da produtividade foi acompanhada pela diminuição do calibre dos frutos, embora de excelente qualidade (teor de açúcar semelhante ao do ano anterior). Já nas variedades de laranjas tardias (Valência Late, D. João e Rhodes) registaram-se aumentos de produção superiores a 5%. “Este aumento deveu-se, maioritariamente, à entrada de muitos pomares jovens na fase mais produtiva do seu ciclo, no qual se verificam incrementos relevantes na sua produtividade”, especifica o gabinete público de estatísticos.

Evolução da produção de laranja

Pela positiva, destaque ainda para a produção de azeite que voltou a atingir um valor superior a 1 milhão de hectolitros em 2018. Contudo, um pouco aquém da produção que se tinha verificado no ao anterior. Os 1,1 milhões de hectolitros produzidos em 2018 comparam com os 1,5 milhões que se tinham verificado em 2017.

“Não obstante o decréscimo verificado face à campanha precedente, a ocorrência de duas campanhas consecutivas com produções acima de 1 milhão de hectolitros é uma situação pouco comum”, explica a esse propósito o INE, acrescentando que “analisando os cem anos de dados estatísticos, esta ocorrência apenas se tinha verificado nos anos de 1956 e 1957“.

A laranja e o azeite acabam por ser a exceção positiva numa campanha agrícola de 2017/2018 “marcada pelo decréscimo das principais superfícies agrícolas cultivadas com culturas temporárias e por quebras generalizadas das produções” em resultado de condições climatéricas desfavoráveis, diz o INE. Ainda assim o balanço anual “saldou-se por um crescimento nominal da produção do ramo agrícola, consequência de um aumento de 2,1% dos preços base“, acrescenta aquela entidade.

A área de cereais de inverno não ultrapassou os 117 mil hectares, a mais baixa desde que há registos sistemáticos, enquanto a de milho para grão (83,4 mil hectares) decresceu pelo 4º ano consecutivo. Registaram-se ainda decréscimos nas áreas de batata (-12,4%), hortícolas (-2,8%) e culturas industriais, nomeadamente no tomate para a indústria, devido a problemas fitossanitários ocorridos na campanha anterior, e no girassol, resultado da descida do preço pago pela indústria.

A campanha 2017/2018 acabou por saldar-se numa produção de 5,8 milhões de toneladas de culturas agrícolas e produção de carne e ovos, abaixo dos 6,4 milhões de toneladas em 2017.

No que respeita ao vinho, a produção caiu face à campanha anterior: passou dos 6,6 milhões de hectolitros, em 2017, para 5,9 milhões de hectolitros em 2018.

(Notícia atualizada às 11h50)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Laranjas, laranjas e mais laranjas. Há 33 anos que laranjais em Portugal não produziam tanto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião