Caixa vai vender 800 milhões de crédito malparado

Depois do Novo Banco e do BPI, também a Caixa prepara a venda de carteiras de créditos em situação de incumprimento. E as dívidas de grandes devedores? Macedo não descartou, mas será venda individual.

Depois do Novo Banco e do BPI, também a Caixa Geral de Depósitos (CGD) prepara a venda de crédito em situação de incumprimento. São 800 milhões de euros em malparado. Foi Paulo Macedo quem anunciou essa intenção. O presidente do banco público não descartou a venda da dívida de grandes devedores, mas frisou que nestes casos será feita de forma individual e não por atacado.

Em causa estão créditos em Portugal e também no exterior, com ou sem garantia, adiantou o presidente do banco público durante a apresentação dos resultados do semestre. A CGD registou uma subida de 45% do lucro para 283 milhões de euros nos primeiros seis meses do ano.

Macedo não excluiu a alienação das dívidas dos grandes devedores do banco. “Podem ser feitas vendas, sim, por negociação para aquele crédito” específico, acrescentou.

Os bancos portugueses têm vindo a reduzir o rácio de malparado para cumprir as metas das autoridades europeias. Uma das forma de baixar a exposição a estes ativos problemáticos passa pela venda de carteiras. O Novo Banco está a finalizar um processo de venda de um portefólio com o valor bruto superior a 3.000 milhões, que inclui “single names”, ou seja, grandes créditos faltosos. E esta segunda-feira, o BPI revelou que está a vender 200 milhões de euros de crédito malparado até final do ano.

A Caixa chegou a junho deste ano com o rácio de malparado nos 7,3%. O objetivo para todos os bancos europeus é chegar a um nível inferior a 5% nos próximos anos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caixa vai vender 800 milhões de crédito malparado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião