Primeiro navio oceânico totalmente construído em Portugal já está a caminho da Gronelândia. Custou 70 milhões

  • Fátima Castro
  • 12 Agosto 2019

É o primeiro navio oceânico construído totalmente em Portugal. É português e custou 70 milhões. Já está a caminho das águas geladas da Gronelândia, com 180 passageiros a bordo.

Partiu segunda-feira passada da Islândia e já está a caminho da Gronelândia. É português, chama-se MS World Explorer e é o primeiro navio oceânico construído totalmente em Portugal, mais concretamente nos estaleiros de Viana do Castelo.

Tem capacidade para 200 passageiros e 110 tripulantes. Conta com oito pisos, 126 metros de comprimento, 19 metros de largura e 4,7 metros de calado. Um investimento de 70 milhões de euros da Mystic Invest, de Mário Ferreira.

“Este é um projeto que temos vindo a construir há alguns anos. É o primeiro paquete totalmente construído em Portugal”, afirma com orgulho ao ECO o presidente executivo da Mystic Cruises.

O MS World Explorer é o primeiro navio oceânico, de uma série de três já encomendados. Neste momento, já está a caminho da primeira aventura, com 180 passageiros a bordo, com destino à Gronelândia. Chega dia 13 de agosto ao mar gelado da Gronelândia e volta ao local de embarque, Reykjavik, na Islândia dia 18 de agosto.

As aventuras não ficam por aqui e o MS World Explorer já tem planeada a próxima viagem que será em setembro. O navio vai partir para os Fiordes da Noruega e mar do Norte e regressará a Portugal para preparar a travessia transatlântica até ao Brasil, antes de se aventurar à descoberta da Antártida no final deste ano.

O navio foi construído por 3.500 trabalhadores das mais diversas especialidades, de 32 nacionalidades, sendo que para a construção do casco foram necessárias 800 mil horas de trabalho”, afirmou Mário Ferreira.

Comentários ({{ total }})

Primeiro navio oceânico totalmente construído em Portugal já está a caminho da Gronelândia. Custou 70 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião