Chissano avisa Governo moçambicano para avaliar risco à paz colocado pela crise na Renamo

  • Lusa
  • 20 Agosto 2019

Joaquim Chissano defende que deve ser avaliado o perigo que as divergências na Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) representam para o Acordo de Paz.

O antigo Presidente moçambicano Joaquim Chissano considera que o Governo deve “analisar profundamente” a ameaça à paz colocada pela crise na Renamo, principal partido da oposição, considerando que a solução passa por uma dissuasão pacífica”.

“Se estivesse no poder, era [de] analisar profundamente a situação” que se vive na Renamo, afirmou Joaquim Chissano, em declarações ao canal público Televisão de Moçambique (TVM).

Chissano assinalou que deve ser avaliado o perigo que as divergências na Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) representam para o Acordo de Paz e Reconciliação Nacional assinado no passado dia 06 deste mês.

“A situação da Renamo deve ser analisada, para ver se há um perigo verdadeiro à paz e o caminho tem de ser através de uma dissuasão pacífica”, acrescentou.

O antigo chefe de Estado moçambicano referiu que a contestação de uma fação da guerrilha da Renamo à liderança do partido pode ter como causa expetativas elevadas quanto aos ganhos materiais após a Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR).

“Deve haver pessoas que ficam descontentes, porque querem ter mais do que merecem ou mais do que têm direito”, salientou Joaquim Chissano.

Na segunda-feira, uma autoproclamada junta militar da renamo elegeu Mariano Nhongo presidente do partido, à revelia da estrutura oficial da principal força da oposição moçambicana, que tem Ossufo Momade como líder.

Mariano Nhongo, tenente-general no braço armado da Renamo, é o fundador da autoproclamada junta militar e era candidato único, tendo sido eleito no último dia do conselho nacional extraordinário do grupo.

O grupo, que se descreve como uma estrutura militar da Renamo “entrincheirada nas matas” com 11 unidades militares provinciais, considera que o Acordo de Paz e Reconciliação Nacional assinado entre o chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, e Ossufo Momade, é nulo, na medida em que, segundo o grupo, Ossufo Mamade não representa a ala militar do partido.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Chissano avisa Governo moçambicano para avaliar risco à paz colocado pela crise na Renamo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião