Hoje nas notícias: CP, EMEF e atividades ilegais

  • ECO
  • 26 Agosto 2019

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

A CP ainda não tem um contrato de serviço público, o que, devido às regras europeias, impede a empresa de receber indemnizações compensatórias. O grupo Barraqueiro queixa-se de que as falhas da EMEF no Metro do Porto podem custar quase um milhão de euros num ano. O peso das atividades ilegais no PIB português é já de 0,5%, mais do que em 2014, a primeira vez que foi contabilizado. Veja estas e outras notícias que marcam as manchetes nacionais.

CP impedida de receber 80 milhões

Estavam previstas indemnizações compensatórias para a CP de 80 milhões de euros neste ano, mas a empresa ainda não pode receber este valor porque ainda não tem um contrato de serviço público, como ditam as regras europeias. Foi há cerca de oito meses que a liberalização do transporte ferroviário de passageiros da União Europeia entrou em vigor. Em julho, o ministro Pedro Nuno Santos disse que o contrato de serviço público com a CP, que está a ser trabalhado em conjunto com as Finanças, deveria ficar fechado “a breve prazo”.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Grupo Barraqueiro refere que falhas na EMEF no Metro do Porto custam quase um milhão de euros

A ViaPorto, que tem a concessão do Metro do Porto, acusa a Empresa de Manutenção e de Equipamento Ferroviário (EMEF) de falta de capacidade para assegurar um boa manutenção dos comboios e refere que as falhas provocam avarias, atrasos e supressões, que podem custar 900 mil euros num ano. A título de exemplo, a empresa do grupo Barraqueiro refere que em maio de 2019 foram contabilizadas 125 avarias, quando no mesmo mês de 2014 se registaram 57.

Leia a notícia completa no Público (acesso pago).

Atividades ilegais valem 0,5% do PIB

A partir de 2014, as atividades ilegais passaram a ser contabilizadas no PIB dos Estados-membros da União Europeia, altura em que o peso em Portugal era de 0,4%. O contributo de atividades como a prostituição, a droga e o contrabando aumentou ligeiramente nos últimos anos e, em 2018, cifrou-se nos 0,5% do PIB português, o que corresponde a aproximadamente 804 milhões de euros. Existem, no entanto, algumas reservas relativamente à forma de calcular este valor.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Exploração de lítio divide o país

A exploração de lítio está a dividir o país. Sete autarquias, entre as quais Braga e Oliveira do País, deram pareceres desfavoráveis à exploração por temerem “prejuízos irreparáveis” para o ambiente. Já as câmaras municipais de Montalegre, Nelas e Boticas assumem uma posição mais ponderada e preferem esperar por estudos ambientais. Estudo da Quercus conclui que lítio põe em causa plano nacional de neutralidade carbónica.

Leia a notícia completa no Jornal i (acesso pago)

Emprego no imobiliário disparou 80% em quatro anos mas deverá cair em 2020

O emprego no setor imobiliário tem vindo a crescer nos últimos anos, sendo que existem já 50 mil pessoas a trabalhar na área, mais 22 mil do que em 2015. É atualmente o setor mais ativo na criação de emprego em Portugal, mas a Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária prevê um abrandamento neste ritmo, devido principalmente à “falta de ligação entre a oferta e a procura” de casas, que pode provocar uma queda já em 2020.

Leia a notícia completa no Dinheiro Vivo (acesso pago).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: CP, EMEF e atividades ilegais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião