Brasil vai gastar 219 milhões de euros a subsidiar seguro agrícola

  • ECO Seguros
  • 2 Setembro 2019

A cobertura assegurada pelas 63 apólices de seguro agrícola subvencionadas pelo Estado superou 2,6 mil milhões de euros no último ano.

Tal como parcialmente em Portugal, também no Brasil os prémios de seguro agrícola são subsidiados pelo Estado. No último ano, estes subsídios atingiram 370 milhões de reais (81 milhões de euros), traduzindo-se na contratação de 63 mil apólices que asseguram uma cobertura total de 12 mil milhões de reais (mais de 2,6 mil milhões de euros). Em 2020 o orçamento do Programa de Subvenção ao Prémio de Seguro Rural (PSR) inscreve um valor recorde: mil milhões de reais (219 milhões de euros).

Em 2018, as indemnizações respeitantes ao programa totalizaram 925 milhões de reais, o equivalente a cerca de 203 milhões de euros.

De acordo com o Ministério da Agricultura brasileiro, citado pelo jornal Valor Económico a produção agrícola foi sobretudo prejudicada pela seca, originando indemnizações que ascenderam a 600 milhões de reais (131,5 milhões de euros) e pela ocorrência de granizo, responsável por indemnizações da ordem de 201 milhões de reais (44 milhões de euros).

“O cálculo dessas indemnizações abrange as contratações de apólices do PSR, equivalentes a 45% de todas as operações de seguro rural contratadas em 2018 nas modalidades passíveis de subvenção”, esclarece o ministério brasileiro. Do total de recursos pagos pelas seguradoras, 36% contemplaram os produtores do Paraná, 21% os do Rio Grande do Sul, 11% os de Goiás, 11% os de Mato Grosso do Sul, 8% os de São Paulo e o restante os produtores dos restantes estados.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brasil vai gastar 219 milhões de euros a subsidiar seguro agrícola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião