¡Olé! Juro da dívida de Portugal já é igual ao de Espanha

Yields portuguesas a dez anos voltam a atingir o mesmo valor pedido pelos investidores a Espanha.

A diferença entre os juros das dívidas de Portugal e de Espanha desapareceu. Sexta-feira, e pela primeira vez desde a crise, os investidores pediram a mesma taxa pelos títulos dos dois países, o que sinaliza que as dívidas de ambos têm o mesmo risco. E o que há três dias foi apenas um acontecimento momentâneo, assumido por Mário Centeno no final da semana, parece agora uma tendência cada vez mais consistente. O contexto internacional favorável, a par do sentimento positivo em relação às contas públicas portuguesas e a instabilidade política espanhola, causaram esta aproximação.

A taxa de juro associada às obrigações do Tesouro de Portugal e de Espanha fecharam esta segunda-feira, em mercado secundário, nos 0,13%, segundo a agência Bloomberg. Esta é das taxas de juro mais baixas de sempre para Portugal e também o marco histórico de os dois países registarem a mesma yield.

Algo parecido já tinha acontecido na passada sexta-feira, pelas 15h10, quando juros exigidos pelos investidores no mercado secundário para deter dívida portuguesa a 10 anos atingiram um nível mais baixo que os de Espanha, como chegou a revelar o ministro das Finanças, Mário Centeno, em entrevista à RTP ao início dessa noite.

“Hoje, por volta das 15h10 da tarde, a taxa de juro portuguesa a 10 anos no mercado internacional passou pela primeira vez para níveis inferiores à de Espanha. Esta passagem de Portugal a ter custos de financiamento a 10 anos mais baixos, abaixo do de Espanha, é um indicador extraordinário que agora temos que conseguir manter e é um indicador extraordinário que agora temos de conseguir manter e um indicador da credibilidade e da sustentabilidade”, disse Centeno no canal público.

O secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, antecipava, em setembro de 2017, que o rating em grau de investimento pelas principais agências de notação financeira iria estreitar o spread entre Portugal e Espanha. Na altura, o juro de Portugal estava acima de 2% e o diferencial face a Espanha situava-se em 70 pontos base.

A previsão de Mourinho Félix concretizou-se. As revisões em alta aconteceram entre o final de 2017 e outubro do ano seguinte. Desde então, o spread — que mede a diferença entre taxas de juros de dois países — tem vindo a cair e, menos de um ano depois, atingiu o zero.

“A redução dos spreads da dívida portuguesa face a outros países, como a Espanha e a Alemanha, tem sido um movimento gradual e consistente. A política que seguimos, orientada para uma consolidação orçamental amiga do crescimento e do emprego, permitiu a Portugal recuperar a sua credibilidade”, dizia Mourinho Félix, em entrevista ao ECO, em março.

A diminuição do peso da dívida na economia portuguesa, a redução do défice (que poderá transformar-se em excedente orçamental já no próximo ano) e as melhorias na saúde do sistema financeiro têm sido as principais razões apontadas pelas agências de rating para o maior otimismo.

O reforço da confiança, tal como o facto de ter grau de investimento alargar a base de investidores, tem levado a yield das obrigações portuguesas a dez anos a renovarem mínimos históricos, enquanto os títulos em todas as maturidades até aos sete anos negoceiam com juros negativos.

Apesar do mérito nacional, é a conjuntura internacional que tem maior impacto. Por um lado, os estímulos monetários do Banco Central Europeu (BCE), que afundaram os custos de financiamento dos países e não estão próximos do fim. Por outro, os receios com a economia global que têm levado os investidores a procurarem refúgio no mercado obrigacionista.

Se Espanha beneficia igualmente do contexto internacional, é o nacional que não ajuda o país. Depois das eleições legislativas realizadas em abril, o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, ainda não conseguiu garantir apoio para governar. Enquanto o impasse político se mantém, a economia de Espanha continua em modo de espera e o cenário de eleições antecipadas ainda não está excluído.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

¡Olé! Juro da dívida de Portugal já é igual ao de Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião