Lisboa pouco alterada em dia de reunião decisiva do BCE

A bolsa nacional abriu em alta ligeira, com os investidores a mostrarem-se expectantes face à reunião do BCE desta quinta-feira de onde deverá surgir um novo corte dos juros de referência.

A bolsa nacional segue no verde pela terceira sessão consecutiva, mas com ganhos muito ligeiros. O PSI-20 acompanha os pares europeus com a mesma tendência, com os investidores já de olho na reunião do BCE que decorre esta quinta-feira e na qual é esperado, um quase certo, novo corte dos juros de referência. Em Lisboa, as retalhistas e as papeleiras mantêm o PSI-20 acima da linha de água.

O PSI-20 arrancou com ganhos ligeiros de 0,09%, para os 5.010,24 pontos, enquanto o Stoxx 600, referência para as ações europeias, somava 0,3%.

O rumo dos índices europeus denota que os investidores estão em “modo espera” a escassas horas da divulgação do resultado da reunião do Banco Central Europeu (BCE), sendo que a maioria das apostas vai no sentido de um corte dos juros de referência para novos mínimos históricos.

Em Lisboa, o retalho é um dos setores que mais puxa pelo rumo do do PSI-20. As ações da Sonae ganham 0,62%, para os 89,6 cêntimos, enquanto as da Jerónimo Martins avançam 0,35%, para os 15,82 euros.

Esta quinta-feira é noticiada a queixa apresentada a Bruxelas pela dona do Pingo Doce devido à taxa de segurança alimentar que considera “inconstitucional e em que já acumula uma dívida de 20 milhões de euros.

No mesmo sentido está a papeleira Altri, que comanda os ganhos do índice lisboeta, com uma valorização de 0,82%, para os 6,165 euros. Rumo diferente tem a Navigator que desliza 0,18%, para os 3,282 euros, apesar de o CaixaBank BPI Research a ter adicionado à sua “Core List”.

Em sentido negativo, segue ainda o BCP que inverteu face aos ganhos em torno de 1% com que entrou na sessão. As ações do banco seguem a perder 0,54%, para os 20,12 cêntimos.

(Notícia atualizada às 8h35)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa pouco alterada em dia de reunião decisiva do BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião