Telefónica contrata banco para analisar compra da brasileira Oi

  • ECO
  • 16 Setembro 2019

Espanhóis estão a ponderar avançar com uma oferta sobre a operadora brasileira Oi, onde a Pharol detém 5,5%.

A espanhola Telefónica está a analisar a potencial aquisição da operadora rival brasileira Oi, que continua a debater-se com problemas financeiros graves e que apresenta um valor de mercado de 6.000 milhões de euros, adianta esta segunda-feira o jornal El Confidencial (acesso livre/conteúdo em espanhol).

Fontes próximas das negociações adiantaram ao jornal espanhol que a Telefónica já contratou um banco de investimento como assessor financeiro para que ajudar a avaliar as melhores opções em relação à Oi, onde a portuguesa Pharol PHR 0,20% tem uma posição relevante de 5,5%, seja através da compra de uma parte da operadora ou então da aquisição da totalidade do capital rival da Vivo (a marca da Telefónica) no Brasil.

Estas movimentações decorrem num momento sensível para a Oi, que em agosto apresentou prejuízos de 353 milhões de euros, o triplo do esperado pelos analistas, e que lançou dúvidas junto das autoridades quanto à viabilidade da operadora de telefonia fixa e móvel.

Segundo outras fontes, a Telefónica contactou o Morgan Stanley para que ajude na aquisição da Oi, que em janeiro tinha contratado os serviços do Bank of America Merrill Lynch para estudar desinvestimentos em áreas não estratégicas e aliviar o fardo da dívida. O El Confidencial lembra que quando a Oi entrou em crise, há três anos, a dívida ascendia a 17 mil milhões de euros.

Desde então a Oi encontra-se em processo de recuperação judicial, mas os problemas continuam a desafiar a companhia. Várias fontes disseram ao jornal que os acionistas da Oi poderiam levar a cabo uma liquidação ordenada da empresa com a venda da divisão de telefonia fixa e móvel.

A Anatel, o regulador brasileiro do setor das telecomunicações, afirmou recentemente que o Governo brasileiro não vai intervir para salvar a Oi, depois de a imprensa local ter noticiado que poderia haver um “resgate” público para salvaguardar a continuidade do serviço aos clientes. Nessa ocasião, revelou que prefere uma solução de mercado para o quarto maior operador do país, com uma quota de mercado de cerca de 18%.

A Telefónica recusou fazer qualquer comentário sobre o assunto. O jornal frisa, porém, que a Anatel não veria com bons olhos a compra da totalidade da Oi, tendo em conta a posição dominante que a Vivo assume neste momento no mercado brasileiro. Por outro lado, para a Telefónica, comprar uma parte da operadora rival poderia representar uma grande oportunidade, sobretudo depois de o Senado brasileiro ter aprovado na semana passada uma nova lei nacional de telecomunicações, a PLC 79.

“Esta movimentação parece bastante surpreendente tendo em conta o nível de endividamento da Telefónica e o foco de redução da dívida da companhia”, referiram os analistas do BPI/CaixaBank numa nota de research publicada esta segunda-feira. “Além disso, a Oi tem sido uma operadora que tem lutado financeiramente com pontos de interrogação na sua viabilidade financeira”, acrescentam.

As ações da Pharol recuam 0,86% para 0,115 euros.

Pharol perde 1%

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Telefónica contrata banco para analisar compra da brasileira Oi

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião