Costa afirma que está em curso um aumento da oferta de transportes públicos

  • Lusa e ECO
  • 17 Setembro 2019

A pouco menos de três semana das eleições, António Costa frisa que está em curso um plano para o aumento da oferta de transportes públicos face ao aumento da procura.

O secretário-geral do PS contou, esta terça-feira, que ouviu queixas por causa da falta de comboios, sobretudo na linha de Sintra, mas defendeu que está em curso um plano para o aumento da oferta de transportes públicos.

António Costa viajou esta manhã de comboio entre Rio de Mouro (no concelho de Sintra) e a Reboleira (no município da Amadora) e, depois, de metro, na linha azul, até à estação da Pontinha (em Lisboa). Um percurso em que esteve acompanhado pelos presidentes das câmaras de Sintra (Basílio Horta), da Amadora (Carla Tavares), de Odivelas (Hugo Martins) e de Lisboa (Fernando Medina).

No final, perante os jornalistas, o líder socialista destacou o objetivo “da urgência do combate às alterações climáticas”, defendeu “a importância da descentralização” na gestão e organização dos transportes públicos urbanos, salientou a “fortíssima redução” do tarifário e o aumento significativo de utentes nas áreas metropolitanas do Porto e de Lisboa, mas falou também de problemas.

“As pessoas transmitiram-me muita satisfação com os novos passes, mas insatisfação com o facto de haver poucos comboios. A queixa que ouvi – e é uma realidade que nós conhecemos – é que há muitas supressões na linha de Sintra“, sintetizou o secretário-geral do PS logo após ter saído do metro na estação da Pontinha. No entanto, na perspetiva de António Costa, tal como referiu já ter acontecido no metro de Lisboa, na Soflusa e na Transtejo, a situação na CP (Comboios de Portugal) tende a regressar à normalidade em termos de oferta.

“Estamos a investir para melhorar a oferta: Estão concluídos os concursos para o alargamento da rede de metro do Porto e de Lisboa; foram lançados concursos para a aquisição de 22 novas composições para a CP; estão contratados novos funcionários para a EMEF (Empresa de Manutenção der Equipamento Ferroviário) para fazerem o trabalho de recuperação das dezenas de composições da CP que estavam paralisadas por falta de manutenção; e encontra-se em curso a aquisição de novos navios para a Transtejo e Soflusa”, sustentou o secretário-geral do PS.

Neste ponto, António Costa advertiu que as mudanças ao nível da oferta não podem ser súbitas e que a abertura de um concurso para a compra de um comboio “não é como ir a um stand comprar um automóvel”. “Leva quatro ou cinco anos. Temos dezenas de comboios parados por falta de manutenção e, por isso, a prioridade, a par da abertura do concurso, foi repor capacidade produtiva na EMEF”, insistiu.

De acordo com António Costa, “todos os dias estão a entrar em operação novos comboios”. “O mesmo que, aliás, fizemos com o metro. No início desta legislatura, cerca de 30% das composições estavam paradas, mas hoje estão todas a funcionar. Idêntico trabalho, de resto, foi igualmente feito na Transtejo e na Soflusa, onde todos os navios estão a navegar. Onde já conseguimos repor a normalidade da manutenção já conseguimos repor a normalidade da oferta”, acrescentou.

Estas declarações de António Costa chegam poucos dias depois de se ter ficado a saber que os novos preços dos passes duplicaram a procura por passes na Grande Lisboa. De acordo com os dados da Área Metropolitana de Lisboa, em março o aumento foi de 36%, em abril de 172%, em maio de 146%, junho 100%, julho 126% e, em agosto, de 98%. Esse salto na procura tem causado um congestionamento dos serviços, o que levou os vários partidos a criticarem o Governo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa afirma que está em curso um aumento da oferta de transportes públicos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião