Montijo Retail Park vendido por 15,5 milhões. Commerzbank perdeu metade do dinheiro em dez anos

O centro comercial, que abriu portas em maio, passou para as mãos de um fundo da Square Asset Management. O ECO sabe que o negócio foi fechado por mais de 15 milhões.

Abriu portas em maio e bastaram cerca de quatro meses para passar de mãos. Mas, antes disso, foram precisos cerca de dez anos para começar a funcionar. O Montijo Retail Park, na margem sul do Tejo, foi vendido pelo Commerzbank a um fundo da Square Asset Management (AM), por cerca de metade do valor que o banco alemão pagou em 2009. O ECO sabe que a venda aconteceu por 15,5 milhões de euros.

Em 2009, a Commerz Real, a gestora de fundos do Commerzbank, adquiriu o Montijo Retail Park por cerca de 30 milhões de euros, adianta o site PropertyEU.

Nessa altura, explicou uma fonte do mercado ao ECO, esperava-se que os retail park fossem valorizar de forma bastante significativa, mas com este centro comercial isso acabou por não acontecer. Foram precisos cerca de dez anos para o imóvel abrir portas. “Esperava-se que o ativo valorizasse mais”, disse a mesma fonte.

E foi isso que levou o banco alemão a alienar o imóvel recentemente, por cerca de metade do que pagou na altura. O negócio foi fechado com o fundo CA Património Crescente, da Square AM, e o ECO sabe que a venda aconteceu por 15,5 milhões de euros.

Ao ECO, outra fonte do mercado adiantou que a transação deu-se por menos de 1.000 euros o metro quadrado e com uma yield de 7,5%. A valorizar ainda mais o imóvel está a localização, o Montijo, onde vai nascer o futuro aeroporto.

Montijo Retail ParkConfrasilvas

O Montijo Retail Park, localizado ao lado do Fórum Montijo, tem uma área de cerca de 18.000 metros quadrados, conta com seis unidades comerciais, um parque de estacionamento com mais de 800 lugares, e marcas como a Conforama, Leroy Merlin, Espaço Casa e Calçado Guimarães.

Antes de ter alienado um ativo em Portugal, em maio a Commerz Real comprou o hotel DoubleTree by Hilton – Fontana Park, em Lisboa, à Turismadeira, não tendo sido conhecido o valor da operação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Montijo Retail Park vendido por 15,5 milhões. Commerzbank perdeu metade do dinheiro em dez anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião