Vendas da Ikea Portugal sobem 4,5% no ano fiscal terminado para 478 milhões de euros

  • Lusa
  • 25 Setembro 2019

As vendas da Ikea Portugal cresceram 4,5% face ao ano anterior, o que representa uma subida para 478 milhões de euros. Destaque para o crescimento do valor das vendas 'online' em 57%.

As vendas da Ikea Portugal subiram 4,5% no ano fiscal terminado em agosto, em termos homólogos, para 478 milhões de euros, “com cerca de 16,7 milhões de visitantes nas suas cinco lojas”, anunciou esta terça-feira a retalhista.

O ano financeiro 2019 da Ikea teve início a 1 de setembro de 2018 e terminou em 31 de agosto último.

“A Ikea Portugal cresceu em 4,5% as suas vendas face ao ano anterior, equivalente a 478 milhões de euros, com cerca de 16,7 milhões de visitantes nas suas cinco lojas (Alfragide, Braga, Loulé, Loures e Matosinhos) e 34 milhões de visitas ao site ikea.pt”, refere a empresa de mobiliário e decoração, em comunicado.

A empresa destaca ainda “o crescimento do valor das vendas ‘online’ em 57%, como reflexo das novas expectativas de conveniência do consumidor”.

“Temos uma visão poderosa. Trabalhamos todos os dias para criar um melhor dia a dia para a maioria das pessoas. Para que isto seja real, queremos estar cada vez mais perto de mais portugueses, seja através de novos pontos de contacto, seja com o apoio de novos serviços”, refere o administrador financeiro (CFO) da Ikea Portugal, Ricardo Pereira, citado em comunicado.

“Esta transformação tem sido uma aposta contínua da Ikea Portugal, que queremos ver reforçada, investindo na conveniência e na qualidade dos nossos produtos e serviços, a preços cada vez mais acessíveis”, concluiu o responsável.

Em termos globais, o grupo Ingka anunciou esta terça-feira um aumento das vendas em 5% para 36,7 mil milhões de euros, tendo em conta as taxas de câmbio. As vendas ‘online’ do grupo cresceram 46%, representando agora cerca de 11% das vendas totais.

“Este crescimento é o resultado dos vários investimentos realizados pelo grupo Ingka durante o ano, incluindo a abertura de novas lojas em grandes centros urbanos, o reforço da rede de distribuição e serviços, bem como a crescente aposta em energias renováveis e no desenvolvimento digital, para tornar a Ikea cada vez mais acessível, sustentável, conveniente e próxima da maioria das pessoas”, refere a retalhista.

Tivemos um ano muito positivo. Enquanto passamos por uma das maiores transformações da nossa história, mantivemos um forte desempenho em todas as nossas áreas de negócio, graças ao trabalho de equipa de todos os nossos colegas incríveis em todo o mundo, que continuam a demonstrar liderança e empreendedorismo todos os dias“, salientou o presidente executivo do grupo Ingka, Jesper Brodin, citado no comunicado.

Em 2019, o grupo Ingka abriu sete lojas Ikea tradicionais, 11 lojas de pequeno formato e estúdios de planificação, um dos quais em Sintra, e nas principais cidades do mundo, como Moscovo, Nova Iorque, Paris e Londres.

Também a Inter Ikea Systems B.V., detentora do conceito Ikea e franchisadora global, anunciou os resultados das vendas das operações de retalho Ikea, com um total de 41,3 mil milhões de euros em todos os 12 franchisados.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vendas da Ikea Portugal sobem 4,5% no ano fiscal terminado para 478 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião