Constâncio quer regras iguais para bancos e big tech. “Não pode haver pura experimentação” nas tecnológicas

Vítor Constâncio diz que bancos vão continuar a ter um papel vital no sistema financeiro, apesar da concorrência das grandes tecnológicas e das fintech.

Vítor Constâncio, antigo governador do Banco de Portugal e ex-vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), sugeriu esta terça-feira que bancos e big tech como Facebook, Google ou Apple devem atuar com as mesmas regras no sistema financeiro, considerando que não deve ser dado às tecnológicas tratamento “de pura experimentação”.

Na Conferência sobre a Estabilidade Financeira, organizada pelo Banco de Portugal, Constâncio sublinhou que a “tecnologia é neutra para a regulação” financeira. “Não é por serem novas tecnológicas a distribuírem produtos financeiros que os problemas das externalidades, do moral hazard, da seleção adversa ou do comportamento do rebanho justificam o desaparecimento da regulação. A tecnologia não faz isto desaparecer e por isso a regulação continuará a ser necessária”, declarou o antigo vice-presidente do BCE.

Depois, prosseguiu Vítor Constâncio, “se qualquer uma destas novas fintechs começar a levantar fundos das pessoas e garantir um resgate ao par, então isso é um depósito”. “Então, se for um depósito então vai requerer a mesma regulação que é aplicada aos bancos”, esclareceu.

Para Constâncio este é “um princípio importante” e que também se aplicará à Libra, a moeda virtual que o Facebook, e a “outras tentativas de criar moeda ao oferece balanços que oferecem balanços com resgate ao par” porque serão vistas como um depósito bancário.

É por isso que todo o tratamento dado às tecnológicas no sistema financeiro não deve ser deixado à pura experimentação, que é a ideia de ‘vamos ver como isto funciona a uma pequena escala e depois faremos algo’. Isto pode crescer rapidamente e aí será tarde para fazer alguma coisa e volta atrás”, alertou o responsável.

Vítor Constâncio diz que ainda é cedo para avaliar totalmente as consequências das novas tecnológicas “Mas prevejo que os bancos vão continuar a existir e há alguns tipos de instituições têm funções vitais que necessárias no nosso sistema”, frisou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Constâncio quer regras iguais para bancos e big tech. “Não pode haver pura experimentação” nas tecnológicas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião