Argentina está disposta a investir em voos da TAP entre Lisboa e Buenos Aires

  • Lusa
  • 9 Outubro 2019

A 18 de abril de 2018, a TAP anunciou que implementaria um voo direto entre Lisboa e Buenos Aires. Mas até agora o objetivo não foi concretizado. Governo argentino quer investir na ligação.

O ministro do Turismo argentino, Gustavo Santos, anunciou que Buenos Aires estaria disponível para apoiar o prometido voo direto da TAP entre Portugal e Argentina.

“A TAP sabe que, se eu estiver à frente do Ministério, comigo terão um aliado incondicional. A Argentina está disposta a investir nesse voo, apoiar e contribuir com promoção direta desse voo porque estou convicto de que é uma rota com muito potencial”, disse Gustavo Santos à Lusa durante a maior feira de Turismo da América Latina, a FIT, em Buenos Aires.

A 18 de abril de 2018, quando a companhia aérea portuguesa anunciou que implementaria um voo direto entre Lisboa e Buenos Aires e sem que o voo tenha sido ainda concretizado, o Governo argentino mostrou-se disposto a investir na ligação.

Segundo o ministro, circunstâncias comerciais levaram a um atraso da entrega de aviões novos à TAP e à queda da procura turística da Argentina no exterior. “A queda do turismo emissivo argentino fez com que o equilíbrio para encher esses aviões ficasse em crise. Isso será até que a economia argentina se estabilize”, admite o ministro.

Para compensar a queda, a Argentina está disposta a promover o voo da TAP e a facilitar questões comerciais. “Será uma rota de muito sucesso e eu vou insistir com a TAP para que aceite esse objetivo. Partilhamos da mesma ideia com secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho”, afirma Santos, mostrando-se confiante: “Tenho muita esperança de que, no curto prazo, possamos ter essa boa notícia”.

O setor turístico argentino tem aumentado a passos largos na contramão de uma economia em crise aguda. Desde abril de 2018, a economia argentina convive com fortes desvalorizações da sua moeda. O peso argentino perdeu 270% do seu valor em 13 meses. A inflação acumulada nos últimos 12 meses soma 54,5%.

Esse panorama económico beneficiou a entrada de turistas no país. Durante os primeiros sete meses de 2019, a chegada de turistas estrangeiros foi recorde histórico: 4,3 milhões de turistas que representaram um crescimento de 9,4% em relação ao primeiro semestre do ano passado (o país encaminha-se a fechar 2019 com oito milhões de estrangeiros).

Da cifra até julho, 1,8 milhões chegaram ao país de avião, representando um aumento de 19,3%. O aumento de turistas europeus foi de 14,1%. Nesse sentido, um voo da TAP a Buenos Aires teria um nível alto de ocupação, acredita o Governo. No entanto, as viagens para o exterior têm diminuído, o que pode criar problemas à operação.

No primeiro semestre de 2019, as viagens ao exterior caíram 16,4%. Pelos aeroportos, a saída dos argentinos diminuiu em 15,4% em relação ao mesmo período de 2018. “Uma estratégia que beneficiaria a TAP é a política de stopover da companhia que eu valorizo muito. Isso permitira que os argentinos viajem a outros destinos na Europa, ampliando as opções da TAP”, apontou o ministro.

Apesar do recorde de 2019, o ano passado já tinha sido de crescimento com mais 7,5% de chegadas por avião, um aumento de 3,3% da Europa. “Além da mudança, o aumento relaciona-se com a melhora na conectividade aérea tem relação com a chegada de novas linhas aéreas, com acordos de vistos com 75 países e com a devolução de impostos (IVA) aos turistas estrangeiros”, diz o ministro Gustavo Santos.

Desde o começo do Governo do Presidente Mauricio Macri, nove companhias entraram no mercado argentino e as 16 que já estavam acrescentaram rotas. As políticas estatais para o setor poderão muar após uma eventual mudança de governo depois das eleições de 27 de outubro.

A TAP esteve presente na Argentina durante 37 anos, de 1968 a 2005.

Naquele ano, na contramão da tendência das companhias aéreas europeias que aumentavam as suas frequências à Argentina, a TAP decidiu fechar o seu escritório em Buenos Aires para se concentrar no trecho São Paulo – Lisboa, onde o lucro era maior, a partir da retirada da brasileira Varig dessa rota.

Desde 1992, as vendas da TAP na Argentina cresceram entre 15 e 20%, sem nenhuma campanha publicitária. No último ano antes de sair do país, faturou 2,7 milhões de dólares, com mais de um milhão de lucro a partir de uma estrutura enxuta de apenas três pessoas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Argentina está disposta a investir em voos da TAP entre Lisboa e Buenos Aires

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião