5G: Presidente executivo da Dense Air diz que há atraso em Portugal

  • Lusa
  • 17 Outubro 2019

Paul Senior rejeita que o atraso seja responsabilidade da empresa que lidera, adiantado estar "muito próximo" de uma solução com Anacom.

O presidente executivo da Dense Air, Paul Senior, afirmou esta quinta-feira que “há um atraso no 5G em Portugal“, mas rejeitou que tal seja responsabilidade da empresa, adiantado estar “muito próximo” de uma solução com Anacom.

“Há um atraso no 5G [quinta geração] em Portugal”, afirmou Paul Senior, quando questionado sobre o assunto, numa conferência com jornalistas na sede da empresa em Lisboa.

“Não por causa da Dense Air, mas porque a mudança na faixa não aconteceu“, disse, aludindo à migração da frequência de 700 MHz da televisão digital terrestre (TDT).

Em declarações à Lusa à margem da conferência, Paul Senior adiantou que há países que estão mais atrasados do que Portugal, manifestando-se otimista face à situação do país, que apontou estar “no meio” do processo comparativamente aos restantes.

A Dense Air Portugal, operadora que fornece serviços de extensão e densificação de redes móveis, tem uma licença da faixa 3,5 Gigahertz (GHz), obtida em 2010, a qual é necessária para o desenvolvimento da 5G.

Esta faixa terá de ser reconfigurada, permitindo acomodar os operadores. A Dense Air Portugal está “em conversações” com a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) para ser encontrada uma solução.

Estamos muito próximos de uma solução“, afirmou Paulo Senior, adiantando esperar que tal esteja concluído “antes do Natal”, já que a empresa pretende que o 5G arranque o “mais rapidamente” possível no mercado português.

Por sua vez, o diretor-geral da Dense Air Portugal, Tony Boyle, garantiu que a empresa está a “cooperar” com a Anacom.

“Queremos que o 5G comece rapidamente” para que a empresa arranque com os seus serviços, acrescentou Paul Senior.

“É do nosso interesse que comece o quanto antes”, sublinhou o gestor.

O modelo de negócio da Dense Air assenta na cobertura de rede dentro de edifícios, nomeadamente para o 5G, sendo que a empresa não pretende concorrer com os operadores de telecomunicações, mas antes trabalhar em parceria.

Ou seja, as operadoras constroem as infraestruturas de 5G e a Dense Air aumenta a cobertura da tecnologia dentro dos edifícios.

“Somos uma parte da solução, não vamos competir com os operadores, somos complementares”, afirmou o presidente executivo do grupo Dense Air, uma das empresas detidas pelo Softbank, multinacional nipónica.

Além disso, a Dense Air Portugal, através das suas soluções, pretende levar a banda larga a áreas rurais do país.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5G: Presidente executivo da Dense Air diz que há atraso em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião