Brexit pesa nas bolsas europeias. Lisboa recua

Com o Brexit no "limbo", os investidores preferem afastar-se do risco. As bolsas europeias recuam, Lisboa também. "Pesos pesados" destacam-se nas quedas.

A Europa volta a sentir o peso da indefinição do Brexit. Com a saída do Reino Unido da União Europeia no “limbo”, os investidores preferem afastar-se dos ativos de risco, levando à queda das bolsas da região. Lisboa não escapa ao sentimento negativo, com o índice nacional a ser penalizado pelas quedas dos principais títulos.

Depois de a legislação sobre o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia ter sido aprovada na primeira votação, o calendário previsto para a aprovação desta legislação foi chumbado. Não é claro agora quando voltará à discussão a lei do Brexit, criando-se uma situação que cria indefinição nos mercados.

O Stoxx 600 recua 0,4%, assim como o DAX, da Alemanha. Em Espanha, o IBEX-35 cede 0,5%, já o francês CAC-40 apresenta uma queda de 0,7%. Num dia em que o FSTE, do Reino Unido, cai 0,1%, Lisboa segue a perder 0,25% para cotar nos 5.003,36 pontos, com apenas três cotadas em alta. A maioria dos “pesos pesados” cai.

A EDP e a EDP Renováveis destacam-se nas quedas, recuando 0,62% e 0,9%, respetivamente, enquanto a Galp Energia, que já esteve a perder mais de 1%, valoriza ligeiros 0,11% para 13,72 euros, ainda a reagir ao plano estratégico que prevê um crescimento dos dividendos em 10% ao ano.

Nota negativa também para os títulos da pasta e papel, bem como para a Jerónimo Martins que cede 0,44% para cotar nos 14,71 euros. A Sonae, por seu lado, soma 0,39% para os 90,15 cêntimos.

O BCP impede uma queda mais expressiva da bolsa ao apresentar uma subida de 0,25% para 19,87 cêntimos. O banco liderado por Miguel Maya volta, assim, aos ganhos, depois da desvalorização registada na última sessão.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit pesa nas bolsas europeias. Lisboa recua

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião