Bankinter inicia ‘research’ a cotadas portuguesas

Depois de o Haitong ter terminado a cobertura de títulos do PSI-20, chegou o espanhol Bankinter. Em cinco cotadas, recomenda "comprar" em quatro delas e, em todas, vê potencial de ganhos.

Há mais um banco de investimento a produzir notas de research sobre empresas da bolsa de Lisboa. O Bankinter iniciou a cobertura de cinco cotadas do PSI-20 e estima alargar a análise a 15 empresas. A iniciativa acontece numa altura de quebra no número de analistas que olham para as cotadas portuguesas.

“Altri, BCP, Galp, Navigator e NOS são os cinco títulos que a equipa de research começou a cobrir. Nos próximos meses, estima-se que esta cobertura seja alargada a 15 títulos do principal índice da Euronext Lisboa“, anunciou em comunicado o Bankinter, sublinhando que “reforça a sua oferta de instrumentos de análise financeira, contribuindo assim para apoiar os investidores a tomar melhores decisões, com base em informação independente e tecnicamente sólida”.

“Comprar” é a principal recomendação

Das cinco cotadas em análise, o Bankinter dá recomendações de “comprar” a quatro. À Altri atribui um preço-alvo de 6,31 euros, contra os atuais 5,525 euros (com um potencial de subida de 14%). Já ao BCP, vê a valorizar 34% para 0,27% e à Galp atribui um potencial de 18% até aos 17,10 euros.

O Bankinter estima ainda que as ações da NOS subam 28% até aos 6,82 euros. A Navigator é a única, das cinco cotadas sobre as quais iniciou cobertura, a que o Bankinter atribui uma recomendação “neutra”. Ainda assim, espera que a papeleira valorize 6% até aos 3,51 euros.

O reserach destas cinco cotadas junta-se à informação de mercados disponibilizada diária e semanalmente pelo Bankinter, bem como à divulgação trimestral da estratégia de investimento. A área de research do Bankinter, com presença em Portugal e Espanha, é liderada por Ramón Forcada e composta por 13 analistas, sendo que a análise do mercado português está a cargo de João Pisco e Rafael Diogo.

Haitong sai. BiG reforça

O início da cobertura de empresas do PSI-20 acontece numa altura de mudanças para o setor. O Haitong — antigo Banco Espírito Santo Investimento (BESI) e um dos maiores players do setor — anunciou no início do mês aos clientes que deixou de fazer análise financeira de ações portuguesas e espanholas. A decisão foi motivada, principalmente, por um realinhamento do modelo de negócio.

Neste momento, existem 44 casas de research a cobrir empresas portuguesas, sendo que todas as empresas do PSI-20 têm cobertura de análise, bem como cinco cotadas do PSI Geral.

O BPI e a Caixa Banco de Investimento (BI) a destacam-se, com análise sobre 20 e 19 cotadas respetivamente. A partir de Portugal, além destes dois havia até agora mais um, o BiG – Banco de Investimento Global.

A contrariar também a tendência, o BiG reforçou na semana passada a cobertura de research, tendo começado a acompanhar a Galp, à qual atribui um preço-alvo de 14,27 euros (com um potencial de desvalorização de 2%) e recomendação de “manter”. O banco produz research igualmente sobre cinco cotadas: além da Galp, o grupo inclui a REN, Altri, Navigator e Jerónimo Martins.

Apesar da presença destes bancos de investimento em Portugal, é de Espanha que vem o maior número de notas de análise, incluindo do Santander, JB Capital Markets ou BBVA. Grandes players como o Goldman Sachs, o JP Morgan ou o Morgan Stanley focam-se nas empresas maiores e acompanham menos de dez empresas cada.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bankinter inicia ‘research’ a cotadas portuguesas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião