Crédito para férias, carro ou casa? É isto que precisa saber

Portugueses continuam a ir buscar cada vez mais dinheiro à banca para comprar casa e para consumo. Mas há cuidados que devem ser tidos em conta nesse processo. Fique a par de cinco dos principais.

Casa, carro, artigos para o lar ou férias. O percurso para a sua aquisição pelos portugueses passa cada vez mais pelo balcão do banco. Os níveis de concessão de crédito às famílias estão em máximos de pelo menos a década. O recurso ao financiamento bancário é muitas vezes a única forma de as famílias acederem a determinados bens. Contudo, há cuidados que devem ser tidos em conta na hora de pedir crédito.

Os últimos dados disponíveis mostram que, nos oito primeiros meses deste ano, os bancos concederam mais de 11,5 mil milhões de euros em empréstimos às famílias. Representa um aumento de 6,7% face ao verificado no período homólogo e é também o mais elevado desde o ano de 2010.

A maior parcela desse montante resulta da concessão de empréstimos para a compra de casa. Entre o início de janeiro e o final de agosto, a banca disponibilizou quase 6,9 mil milhões em financiamento para a aquisição de habitação: 5,7% acima do verificado em 2018 e o valor mais alto desde também 2010.

Já no caso do crédito ao consumo, a subida é menos acentuada, mas em valor representa um máximo de mais tempo. Nos primeiros oito meses deste ano, foram concedidos perto de 3,3 mil milhões de euros em empréstimos para consumo, 5% acima do registado no mesmo período do ano passado, com o montante global a ser o mais elevado dos últimos 15 anos (2004). Ou seja, vários anos antes do espoletar da crise financeira.

“Os valores de crédito concedido não são preocupantes, devendo ser analisados no contexto do quadro económico que se vive atualmente no país”, defende Susana Albuquerque, especialista em finanças pessoais. “Estamos ainda a recuperar do período de recessão económica e longe dos valores pré-crise“, acrescenta ainda a responsável pela coordenação da Educação Financeira na Associação de Instituições de Crédito Especializado (ASFAC), lembrando que entre 2013 e o final do primeiro semestre de 2019, o número de famílias em incumprimento se reduziu em cerca de 31%.

Os valores de crédito concedido não são preocupantes, devendo ser analisados no contexto do quadro económico que se vive atualmente no país.

Susana Albuquerque

ASFAC

Mesmo considerando esses fatores, o recurso ao crédito é uma decisão que deve ser sempre muito bem ponderada. Há um conjunto de cuidados que devem ser tidos em conta nesse processo. Conheça cinco dos principais.

1- Analise e defina um orçamento

Em primeiro lugar, antes de avançar para o crédito, deve assegurar que precisa mesmo do bem ou serviço, mas também se o seu orçamento tem margem para acomodar esse encargo adicional. Isto é válido seja para um crédito à habitação, como para consumo. Procure assim “analisar ou definir um orçamento mensal: colocando de um lado as receitas (vencimentos, subsídios, pensões) e do outro as despesas“, começa por defender Susana Albuquerque. Isto permite ver quanto sobra depois de pagar todas as contas e quanto tem disponível para a prestação de um empréstimo.

“É importante aqui calcular a taxa de esforço que lhe diz qual é o valor máximo que pode despender em prestações de empréstimos por mês com base no rendimento disponível”, esclarece a esse propósito a especialista em literacia financeira. De acordo com a Deco, essa taxa de esforço não deve superar a fasquia dos 35%.

2- Compare as ofertas de mercado

Após essa análise, se a decisão for avançar com o pedido de empréstimo convém ir em busca do financiamento mais adequado, nomeadamente para “o bolso”. “A internet pode ser um ótimo aliado na pesquisa do mercado, sendo aconselhado pedir três propostas a instituições diferentes”, recomenda Susana Albuquerque.

Para uma correta comparação das propostas, é indicado analisar as Fichas de Informação Normalizada (FIN) dos produtos. Este documento de disponibilização obrigatória por parte das instituições financeiras discrimina as principais características do crédito pretendido, nomeadamente os encargos com juros e comissões.

3- TAN, TAEG e MTIC? Conheça as diferenças

São muitas as siglas associadas a um empréstimo e estas são as mais importantes. A taxa anual nominal (TAN) reflete a taxa de juro sem outros encargos. Já a taxa anual de encargos efetiva global (TAEG) indica todos os custos associados ao crédito. Essa taxa “indica o custo total do crédito e permite comparar melhor cada uma das propostas“, explica a especialista da ASFAC, devendo o consumidor assim focar-se nela. Já o montante total imputado ao consumidor (MTIC) indica o custo total do empréstimo. Este MTIC inclui os valores pagos com juros, comissões, despesas, impostos e encargos com o crédito.

4- Tem dúvidas? Esclareça-as

“Depois de escolher a melhor proposta, o consumidor deve, antes de assinar qualquer documento, esclarecer todas as perguntas e dúvidas que lhe surjam com a leitura do contrato”, recomenda Susana Albuquerque. Leia toda a documentação que lhe for disponibilizada, com especial atenção para as letras pequenas e asteriscos. Além disso, consulte a informação que está disponível sobre as características e regras dos empréstimos, em sites como o Portal do Cliente Bancário do Banco de Portugal.

5- Mudou de ideias? Tem 14 dias para desistir

Assinou o contrato, mas mudou de ideias? Se for esse o caso, pode desistir do crédito, mas só se o fizer no máximo até 14 dias depois da data da assinatura do contrato. E para tal não tem de dar qualquer satisfação sobre o motivo. As regras impõem que cabe a quem pediu o crédito devolver o respetivo montante e pagar os juros decorridos num prazo limite de 30 dias.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crédito para férias, carro ou casa? É isto que precisa saber

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião