“Melhor altura para lançar a Libra foi há três anos. A segunda melhor é agora”, diz responsável pela moeda do Facebook

Kevin Weil, um dos responsáveis da subsidiária do Facebook que está a criar a moeda Libra, admitiu que a empresa perdeu a primeira onda da euforia das criptomoedas.

Kevin Weil, CPO da Calibra (Facebook), no palco central do Web Summit a 5 de novembro.David Fitzgerald/Web Summit via Sportsfile

O Facebook aproveitou o palco principal do Web Summit para justificar a decisão de criar uma moeda virtual universal, à qual chamou de Libra. Kevin Weil é vice-presidente de produto da Calibra, a subsidiária que está a desenvolver a criptomoeda. Esteve esta terça-feira na Altice Arena para garantir que o momento para lançar a divisa é “agora”… mas que só o fará quando tiver “todas as autorizações regulatórias” necessárias.

Já houve um momento melhor para lançar a Libra. O fenómeno das criptomoedas ganhou popularidade mundial no final do ano de 2017, o que levou Kevin Weil a confessar que o Facebook perdeu a primeira onda desta tendência: “A melhor altura para lançar a Libra foi há três anos. A segunda melhor altura é agora“, justificou o responsável.

Depois, o responsável da empresa do grupo Facebook também explicou o que deverá ser a moeda virtual do Facebook. A Calibra é apenas a carteira virtual da Libra que está a ser criada pelo Facebook e a ideia é que qualquer empresa interessada possa criar a sua própria carteira para a rede Libra, indicou Kevin Weil.

A empresa tenciona lançar o produto até ao final do primeiro semestre de 2020, mas tem vindo a reiterar que a Libra só vai ver a luz do dia quando todas as dúvidas das autoridades estiverem esclarecidas: “Só vamos lançar a Libra quando tivermos todas as autorizações regulatórias. Estamos comprometidos com isso”, assumiu o vice-presidente da Calibra do Facebook.

Só vamos lançar a Libra quando tivermos todas as autorizações regulatórias. Estamos comprometidos com isso.

Kevin Weil

Vice-presidente de produto da Calibra (Facebook)

Sobre as dúvidas em torno da privacidade da Libra, Kevin Weil disse que o Facebook dará uma justificação aos utilizadores sempre que lhes pedir dados pessoais e que estes terão o poder de decidir transferir os seus dados para outros fornecedor de serviços na rede da Libra. “É a vantagem da interoperabilidade deste sistema”, disse o responsável.

Kevin Weil falou ainda do processo de decisão no Facebook que levou ao lançamento da Libra. “O Mark [Zuckerberg] é incrivelmente guiado por um sentido de missão. Quando surgem oportunidades destas, ele pergunta: qual é a missão? Podemos aumentar o acesso a serviços financeiros em todo o mundo? Nós, no Facebook, estamos numa posição única para gerar impacto nesta área. É este o início da decisão. Quando o Mark se compromete, ele compromete-se”, apontou.

A Calibra é um dos elos do consórcio de mais de duas dezenas de empresas que está a trabalhar no desenvolvimento da Libraincluindo a luso-britânica Farfetch. No Web Summit, o responsável da Libra prometeu que o Facebook não vai ter o controlo da criptomoeda, mas sim todo o ecossistema de parceiros em conjunto, através de um sistema de votação.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Melhor altura para lançar a Libra foi há três anos. A segunda melhor é agora”, diz responsável pela moeda do Facebook

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião