EDP pressiona bolsa com desinvestimento de acionista chinês. Cai mais de 1%

Lisboa volta às quedas, numa sessão negativa para a generalidade das bolsas europeias. A EDP pressiona depois da CNIC venderam, em pouco mais de cinco horas, um bloco de 49 milhões de ações.

A EDP está sob pressão em bolsa. As ações da elétrica registam a queda mais acentuada no índice nacional, isto depois de os chineses da CNIC terem vendido, em pouco mais de cinco horas, um bloco de 49 milhões de ações da empresa liderada por António Mexia. O PSI-20 recua, acompanhando a tendência negativa da Europa.

Os títulos da EDP recuam 1,62% para 3,649 euros, uma queda acentuada explicada pelo valor a que foi realizado mais este desinvestimento por parte da CNIC, que já chegou a ter cerca de 5% do capital da elétrica nacional.

“O valor total da receita da colocação atingiu aproximadamente 175,6 milhões de euros, correspondente a um preço de 3,60 euros por ação”, revela a empresa em comunicado à CMVM.

A queda da EDP, mas também da EDP Renováveis, que recua 0,2%, bem como dos CTT, que corrigem da forte subida da última sessão em que chegaram a cotar novamente nos 3,00 euros, leva o PSI-20 a ceder 0,12% para 5.229,98 pontos. Na Europa, o cenário é idêntico, com o Stoxx 600 a recuar 0,1%.

A impedir uma queda mais acentuada da bolsa está a Galp Energia, que soma 0,17%, mas principalmente o BCP que continua a valorizar antes da apresentação das contas dos primeiros nove meses do ano. O banco liderado por Miguel Maya soma 0,38% para 21,20 cêntimos por ação.

Destaque para a Mota-Engil, que lidera os ganhos no PSI-20, somando 1,25% para 2,104 euros, numa sessão em que as papeleiras mantêm a tendência positiva. A Altri e a Navigator somam 0,25%.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP pressiona bolsa com desinvestimento de acionista chinês. Cai mais de 1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião