Mário Nogueira diz que recuperar tempo de serviço dos professores “é justiça elementar”

O secretário-geral da Fenprof lembra que já só faltam "seis anos, seis meses e 23 dias" para recuperar o tempo de serviço do professores e acusa o Governo de não se querer reunir com os sindicatos.

O líder da Fenprof considera que é “justiça elementar” recuperar na totalidade o tempo de serviço dos professores e lembra que já só faltam “seis anos, seis meses e 23 dias”. Mário Nogueira deixa ainda um recado ao Ministério da Educação que, segundo o secretário-geral, foi o único ministério que “não deu sinal de vida para qualquer tipo de reunião com as organizações sindicais“.

Na antecipação das reuniões com os Bloco de Esquerda, Partido Socialista e PCP sobre o descongelamento das carreiras, Mário Nogueira espera alguma compreensão por parte dos partidos, já que registou que “todos, à exceção do Partido Socialista”, recolocaram a questão na campanha eleitoral e defenderam “a recuperação desse tempo de serviço”.

É uma justiça elementar, ou seja, as pessoas trabalharam e têm de ser reconhecidas. E há uma coisa que as pessoas sabem é que já não são nove anos, quatro meses e dois dias. Com a sua luta, neste momento já só são seis anos, seis meses e 23 dias“, lembrou o líder da Fenprof, Mário Nogueira, em declarações transmitidas pela SIC Notícias.

Mário Nogueira lamentou ainda o facto de o Ministério da Educação ter optado pelo “silêncio” ao ser o único ministério que ainda não reuniu com as organizações sindicais. “Estamos a entregar o caderno reivindicativo dos professores que também faremos chegar ao Governo logo que o sr. ministro da Educação tenha um buraquinho na agenda para reunir com os sindicatos“, disse o líder da Fenprof, acrescentando que pensa “que será o único ministro de todo o Governo que ainda não deu sinal de vida para qualquer tipo de reunião com as organizações sindicais“.

Para Mário Nogueira o problema não está apenas nas carreiras, mas também no envelhecimento da população, nomeadamente dos professores, sendo um problema que “em que o Governo continua sem resposta”. O líder sublinhou que há falta de jovens na formação inicial e “professores afastados da profissão pelas más condições, instabilidade e precariedade da profissão”.

Na saída do encontro com o líder da Fenprof, em declarações à RTP3, Catarina Martins lembra que o país não está “a ter os professores de que precisa“, sublinhando que cerca de 50% dos professores têm mais de 55 anos e que “há mais de 12 mil que se vão reformar nos próximos anos”. Para isso, a bloquista considera que é fundamental discutir as “questões da própria valorização do trabalho dos professores nas escolas e das suas carreiras”.

A Fenprof entregou no Parlamento uma petição com 13 mil assinaturas pela recuperação de todo o tempo de serviço dos professores. Na sequência desta entrega iniciou uma ronda de contactos com os vários partidos para discutir o tempo das carreiras, e, outras questões como de aposentação e de concurso.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mário Nogueira diz que recuperar tempo de serviço dos professores “é justiça elementar”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião