Fitch mantém rating de Portugal inalterado em “BBB” com perspetiva positiva

  • ECO
  • 22 Novembro 2019

Esta foi a última avaliação de rating à dívida pública portuguesa em 2019 e nada mudou. A Fitch, tal como a Standard and Poor's, coloca o país no segundo nível de investimento de qualidade.

A Fitch não fez alterações ao rating de Portugal. A agência de notação financeira manteve o rating da dívida pública nacional em “BBB”, o segundo nível de grau de investimento, bem como o outlook “positivo” inalterados. A avaliação divulgada esta sexta-feira é a última de 2019.

A agência de notação financeira justifica a decisão de não alterar o rating português com o “elevado endividamento público e privado, e o baixo crescimento potencial de médio prazo“, acrescentando que a “perspetiva positiva é sustentada pela melhoria das finanças públicas”.

Em sentido positivo, no que respeita ao novo governo, a Fitch salienta que as principais posições ministeriais “estão pouco alteradas” e que “espera uma ampla continuidade na política económica e fiscal”.

Entre os principais argumentos que a Fitch considera que poderiam conduzir a um movimento positivo no rating nacional seria a “confiança de que o histórico de redução do rácio da dívida pública face ao PIB será mantido no médio prazo”. Neste campo, a agência de notação financeira diz que a “sustentabilidade da dívida melhorou”, mas que esta “mantém-se elevada”.

A jogar em favor do rating nacional, estaria ainda “uma melhoria no crescimento potencial de longo prazo de Portugal, sem a criação de desequilíbrios macroeconómicos, principalmente se suportados por reformas estruturais”.

Em sentido contrário, os principais fatores que poderiam, de forma individual ou coletiva, conduzir a uma ação negativa do rating, estariam “um abrandamento ou reversão da queda do rácio da dívida pública” e uma crise no setor financeiro. Designadamente, “um renovado stress no setor financeiro que requeira suporte do setor público adicional significativo e/ou que afete a estabilidade financeira e o outlook de crescimento.

Relativamente a estas avaliações reveladas nesta sexta-feira à noite, o ministério das Finanças salienta diz que a “agência Fitch destaca como pontos fortes da economia portuguesa, em comparação com outras economias com a mesma notação, a manutenção da estabilidade política e institucional e o maior nível de rendimento per capita“. Salienta também que a Fitch “reitera ainda a confiança nas opções de política económica e orçamental do Governo“.

Esta foi a última avaliação de rating a Portugal em 2019, sendo que o país tem beneficiado nos últimos dois anos de sucessivas revisões em alta nos últimos dois anos. A expectativa do ministro das Finanças, Mário Centeno, é que a trajetória de recuperação e consolidação orçamental levem Portugal a voltar a ter nível A, o que não acontece desde 2011.

A DBRS é a mais confiante e vê Portugal a apenas um notch desse nível. Já a Fitch e a Standard and Poor’s avaliam a dívida pública no segundo degrau de investimento de qualidade, enquanto a Moody’s é a agência que atribui pior classificação: no nível mais baixo de investimento de qualidade. As duas últimas têm perspetiva positiva, pelo que poderão subir o rating, mas o calendário para o próximo ano ainda não é conhecido.

(Notícia atualizada às 21h58)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fitch mantém rating de Portugal inalterado em “BBB” com perspetiva positiva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião