Wall Street em alta com resultados do setor do retalho

Depois de um arranque de sessão "contido", os principais índices dos Estados Unidos encerraram com ganhos, impulsionados pelo setor do retalho.

Os principais índices norte-americanos encerraram com ganhos, depois de um arranque de sessão na linha de água. A contribuir para este cenário está o setor do retalho, que apresentou resultados acima das expectativas, mas também o otimismo à volta de um acordo comercial entre a China e os Estados Unidos.

O índice de referência S&P 500 valorizou 0,24% para 3.141,17 pontos, acompanhado pelo tecnológico Nasdaq que somou 0,18% para 8.647,93 pontos. Pelo mesmo caminho seguiu o industrial Dow Jones que avançou 0,19% para 28.120,86 pontos.

A contribuir para este desempenho na bolsa de Nova Iorque está o setor do retalho, que apresentou resultados acima das expectativas. A Best Buy divulgou ganhos trimestrais acima do esperado, o que fez as ações da empresa dispararem 9,77% para 81,59 dólares. Também a Dick’s Sporting Goods subiu 18,64% para 46,78 dólares.

Esta segunda-feira, os ganhos foram de tal maneira acentuados que Donald Trump não resistiu a deixar uma mensagem na rede social Twitter: “Mais um recorde nas bolsas. Aproveitem!”, escreveu o Presidente dos Estados Unidos.

E a mensagem de Donald Trump acabou por deixar os investidores ainda mais animados, que já estavam otimistas quanto a um acordo entre as duas maiores economias do mundo. “Alguns dos proxies comerciais continuam a subir, o que significa que há mais otimismo no comércio da China”, diz Ben Philipps, diretor de investimentos da Eventshares, citado pela Reuters (conteúdo em inglês).

A impulsionar também o desempenho de Wall Street esteve a Disney, cujas ações valorizaram 1,33% para 151,61 dólares, depois de um relatório ter revelado que o serviço de streaming Disney + está a ganhar, em média, quase um milhão de novos utilizadores por dia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street em alta com resultados do setor do retalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião