Acordo comercial só em 2020? Receio atira Wall Street para terreno negativo

Donald Trump sinalizou que o acordo comercial entre Washington e Pequim poderá mesmo ser atirado para 2020, o que desapontou os investidores e pressionou os mercados norte-americanos.

A expectativa de que o acordo comercial entre Pequim e Washington estaria para breve caiu por terra com Donald Trump a dizer que não há “prazo” para essa assinatura e a sinalizar que tal poderá mesmo acontecer só em 2020. Em reação, os mercados norte-americanos encerraram a segunda sessão da semana em terreno negativo.

O índice de referência, o S&P 500, recuou 0,63% para 3.094,30 pontos. Também no vermelho ficaram o tecnológico Nasdaq — que caiu 0,53% para 8.522,37 pontos — e o industrial Dow Jones — que desvalorizou 0,96% para 27.516,4 pontos.

Em declarações aos jornalistas, o presidente dos EUA, Donald Trump, frisou não haver um prazo para a assinatura do acordo comercial com a China, o que está a preocupar os investidores. Depois de a expectativa de que um acordo entre Pequim e Washington estaria para breve ter animado os mercados na semana passada, as declarações do presidente dos EUA sobre esta matéria surtiu agora o efeito contrário.

A somar aos comentários de Trump, o secretário do Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, confirmou que serão aplicadas novas tarifas às importações chinesas a partir de 15 de dezembro, se não forem conseguidos avanços significativos nas conversações entre Pequim e Washington.

Os analistas sublinham que os investidores estão desapontados com estes sinais pouco otimistas em relação ao acordo comercial. Mais sensíveis a estas negociações comerciais, os títulos da Apple recuaram 1,78% para 259,45 dólares e os da Amazon desvalorizaram 0,65% para 1.769,96 dólares.

Na sessão desta terça-feira, destacam-se, em sentido contrário, os títulos da Audentes Therapeutics, que dispararam 105,98% para 58,93 dólares. Isto depois da japonesa Astellas Pharma ter anunciado a aquisição da empresa norte-americana por três mil milhões de dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acordo comercial só em 2020? Receio atira Wall Street para terreno negativo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião