Subida do preço das casas abranda em 2020. Moody’s vê aumento de 4%

A agência de notação financeira prevê uma subida de 4% nos preços das casas em Portugal. Preços voltam a subir, mas ritmo é bem mais fraco que nos últimos anos.

As casas vão ficar ainda mais caras no próximo ano, embora a subida dos preços não seja tão acentuada como nos últimos anos. Quem o diz é a agência de notação financeira Moody’s, que prevê um aumento de 4% nos preços das casas em 2020. Portugal está entre os cinco países onde os preços da habitação mais vão subir.

Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que, no primeiro semestre do ano, os preços das casas subiram 10,1% face ao mesmo período do ano passado, isto depois de terem aumentado 10,3% em 2018.

Ainda no ano passado, a Moody’s previu um crescimento entre os 7% e os 8% no preço das casas mas, agora, passados 12 meses, a agência revê em baixa essa estimativa. Para 2020, está previsto um aumento de apenas 4% no setor residencial. “Uma forte subida do preço da habitação, embora inferior à verificada nos últimos anos”, refere o relatório.

Ainda para o país, a Moody’s sustenta a sua previsão de aumento dos preços na confiança dos consumidores, que “vai continuar robusta”, isto ao mesmo tempo que antecipa que o PIB deverá crescer 1,7%. A taxa de desemprego “diminuirá ligeiramente”, prevendo-se que recue até 6%. No entanto, diz que haverá “alguma quebra nos empréstimos à habitação”, o que poderá ajudar a explicar o abrandamento do aumento dos preços.

Entre os países europeus onde os preços mais vão subir, Espanha surge no topo da tabela, com uma subida prevista de 5,5%, à frente da Irlanda (4,5%), Holanda (4,5%) e Alemanha (4%). Já as subidas mais baixas vão acontecer em França (2,5%) e no Reino Unido (0,7%). Em Itália, por sua vez, a Moody’s prevê que os preços se mantenham ao mesmo nível.

(Notícia atualizada às 12h21 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Subida do preço das casas abranda em 2020. Moody’s vê aumento de 4%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião