Boris Johnson admite risco de falhar maioria absoluta nas eleições legislativas

  • Lusa
  • 10 Dezembro 2019

O primeiro-ministro britânico disse que estas eleições vão ser muito disputadas e, por isso, apela aos britânicos para que votem, antecipando o risco de falhar uma maioria absoluta.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, admitiu esta terça-feira o risco de não conseguir uma maioria absoluta nas eleições legislativas de quinta-feira e estas resultarem num parlamento dividido.

Esta é uma eleição muito disputada. E precisamos de todos os votos. A única alternativa matematicamente [possível] a um governo Conservador com maioria absoluta é o risco real de outro parlamento dividido“, afirmou, após um discurso numa fábrica em Uttoxeter, Staffordshire, centro de Inglaterra.

Johnson aludiu às eleições de 2017, quando a antecessora Theresa May tinha uma vantagem nas sondagens mas acabou por não conseguir uma maioria de deputados na Câmara dos Comuns, precisando do apoio do Partido Democrata Unionista (DUP) da Irlanda do Norte para formar governo.

Desde a dissolução do parlamento, a 6 de novembro, que as sondagens têm indicado consistentemente uma vantagem do Partido Conservador sobre o Trabalhista suficiente para garantir uma maioria absoluta.

“As sondagens podem estar erradas, e precisamos lutar por cada voto“, referindo que um parlamento dividido poderá resultar num bloqueio ao Brexit devido ao peso dos partidos pró-europeus na Câmara dos Comuns.

Num comício em Carlisle, no norte de Inglaterra, Jeremy Corbyn saudou os militantes que têm ajudado na campanha, que acredita serem mais numerosos do que em 2017.

“Uma vitória na quinta-feira é um presente de Natal antecipado na sexta-feira”, afirmou o líder Trabalhista, que planeia concluir a campanha eleitoral em Londres na quarta-feira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Boris Johnson admite risco de falhar maioria absoluta nas eleições legislativas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião