Marta Temido: “Nunca me senti refém” de Mário Centeno

  • ECO
  • 11 Dezembro 2019

No dia em que foi anunciado um reforço de 800 milhões de euros para a Saúde, Marta Temido diz que o dinheiro "não vai resolver todos os problemas". Mas é um "passo importante".

Marta Temido tem orçamento reforçado para o próximo ano. O Governo anunciou mais 800 milhões de euros para a Saúde, dinheiro que, diz, não resolverá todos os problemas, mas que é importante para melhorar a saúde dos portugueses. A ministra diz que esta verba adicional só é possível graças ao trabalho feito pelo Ministério das Finanças, mas rejeita que alguma vez se tenha sentido refém de Mário Centeno.

“Não acho que esta resolução do Conselho de Ministros vá resolver todos os problemas, como a lei de bases da Saúde não resolverá todos os problemas”, diz Marta Temido em entrevista ao Público (acesso condicionado). No entanto, admite que este reforço das verbas para o seu ministério é um passo, e que isso “é muito importante” para garantir “a melhor resposta às portuguesas e aos portugueses”.

Temido diz que estes 800 milhões de euros são “resultado de um trabalho de boa gestão de contas públicas no sentido da redução de pagamento de juros de empréstimos internacionais, etc”, diz Temido, elogiando Mário Centeno.

“Naturalmente, não queremos [Saúde e Finanças] sempre as mesmas coisas e não temos a mesma perspetiva. Temos aspetos em que não coincidimos. Mas nós, Saúde e Finanças, queremos a mesma coisa: melhor saúde para os portugueses e maior valor do investimento que se faz na Saúde dos portugueses“, diz ao Público.

“Eu nunca me senti refém” de Centeno, diz. “Este reforço de meios também permitirá injetar mais confiança no sistema e criar respostas. Mas não considero que tenho estado refém do que quer que seja”, atira.

(Notícia atualizada às 20h26 com mais informação)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marta Temido: “Nunca me senti refém” de Mário Centeno

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião