Facebook divulga momentos mais comentados pelos portugueses em 2019

  • Lusa
  • 12 Dezembro 2019

Os incêndios na Amazónia e as eleições legislativas de outubro estão entre os momentos mais comentados naquela rede social.

O Facebook divulgou esta quinta-feira uma retrospetiva do ano de 2019 em Portugal, com os momentos mais comentados naquela rede social, onde se incluem, entre outros, os incêndios na Amazónia e as eleições legislativas de outubro.

De acordo com o Facebook ‘Year in Review”, o assunto mais discutido em Portugal no mês de janeiro foi a estreia do programa de Cristina Ferreira na SIC, seguindo-se a cerimónia de entrega dos Óscares em fevereiro e o ‘hat-trick’ (três golos marcados pelo mesmo jogador no mesmo jogo) de Cristiano Ronaldo contra o Atlético de Madrid em março.

Em relação ao segundo trimestre do ano, o incêndio na Catedral de Notre-Dame em Paris foi o assunto mais comentado pelos utilizadores do Facebook em abril, o Benfica campeão da Liga Portuguesa de Futebol em maio, e a Seleção Nacional de Futebol a vencer a Liga das Nações da UEFA em junho.

Em julho, o assunto que dominou a atividade dos portugueses na rede social criada por Mark Zuckerberg foi o falecimento do músico brasileiro João Gilberto.

Já os incêndios na Amazónia dominaram a discussão em agosto, enquanto que a morte do cantor luso-brasileiro Roberto Leal foi o assunto mais comentado no mês de setembro.

Outubro ficou marcado pelas eleições legislativas que deram a vitória sem maioria absoluta ao Partido Socialista (PS) e, por último, em novembro, o treinador de futebol português Jorge Jesus a vencer a Taça Libertadores, pelo clube brasileiro Flamengo, foi o assunto que marcou as interações dos portugueses no Facebook.

“Quer tenha sido para partilhar uma causa importante, celebrar marcos mundiais ou fazer ouvir as suas vozes sobre questões relevantes, as pessoas usaram o Facebook de formas significativas para se conectarem com as suas comunidades”, sublinhou, em comunicado, a rede social.

Para elaborar esta lista, o Facebook analisou o “volume de tópicos durante um mês inteiro” e comparou-o com o volume do ano anterior, analisando, depois, os dados “de forma anónima e agregada para identificar tópicos e momentos exclusivos de 2019”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook divulga momentos mais comentados pelos portugueses em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião