Tem filhos com menos de três anos? Veja aqui o que muda no IRS

As deduções em sede de IRS para filhos com menos de três anos, a partir do segundo dependente, sofrem alterações no próximo ano. As simulações da EY para o ECO mostram os impactos da mudança.

A partir do próximo ano, as famílias mais de dois filhos vão passar a beneficiar de uma maior dedução em sede de IRS, desde que dois deles tenham menos de três anos. De acordo com a proposta de Orçamento do Estado para 2020, o “bónus” que acresce à dedução fixa por dependente vai passar dos atuais 126 euros para 300 euros, a partir do segundo filho com, no máximo, três anos.

O Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares prevê atualmente uma dedução em sede de IRS de 600 euros por dependente. A esse desconto, acresce um “bónus” de 126 euros, a partir do segundo filho (até aos três anos de idade). No próximo ano, essa majoração vai subir para 300 euros, no caso de, num mesmo agregado, existirem duas crianças com menos de três anos; Isto é, se apenas o segundo filho tiver menos de três anos o “bónus” mantém-se nos 126 euros.

Assim e de acordo com as simulações feitas pela EY para o ECO, no caso de um sujeito passivo casado (que opte por tributação conjunta), que tenha 1.500 euros de rendimento bruto mensal e que seja responsável por três dependentes acima de três anos, a mudança em causa trazida pelo OE não tem qualquer efeito nas deduções à coleta, nem no IRS a receber.

E mesmo se um desses dependentes tiver menos de três anos, esta mudança não se faz notar. Os efeitos começam a ser sentidos a partir do segundo filho com menos de três anos. Por exemplo, se entre os mesmos três dependentes, dois tiverem menos de três anos, o “bónus” a que acresce à dedução fixa por dependente sobe para 300 euros para um desses bebés. O outro continua a dar direito a uma dedução de 726 (600 fixos mais o bónus de 126 euros atuais).

Já se os mesmos três mesmos dependentes considerados na simulação da EY tiverem todos menos de três anos, o “bónus” que se soma à dedução fixa sobe para 300 euros para dois desses bebés. Quando um dos mais velhos ultrapassar a fasquia dos três anos, o “bónus” devido pelos mais novos desce para 126 euros para um e mantém-se nos 300 euros para outro.

Contas feitas, no caso de um sujeito passivo casado (que opte por tributação conjunta), que tenha 1.500 euros de rendimento bruto mensal e que seja responsável por três dependentes abaixo de três anos, as deduções à coleta sobem 348 euros, de 2.178 euros para 2.526 euros. Esse contribuinte terá, portanto, a receber, em 2021, mais 351,57 euros de IRS do que irá receber em 2020, por referência aos rendimentos deste ano.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tem filhos com menos de três anos? Veja aqui o que muda no IRS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião