Diretor de operações cooptado para a administração dos CTT

Francisco Simão renunciou ao cargo de vogal do conselho de administração e da comissão executiva e será substituído, a 6 de janeiro, pelo atual diretor de operações dos CTT.

Os CTT CTT 2,84% cooptaram para o conselho de administração o atual diretor de operações, João Gaspar, depois da renúncia ao cargo de vogal por parte de Francisco Simão. A cooptação tem efeito no próximo dia 6 de janeiro.

Num comunicado, a empresa começa por informar que Francisco Simão “formalizou nesta data à sociedade a sua renúncia ao cargo de vogal do Conselho de Administração e da Comissão Executiva dos CTT, com efeitos nos termos legais, tendo em conta que o termo do seu mandato ocorre a 31 de dezembro de 2019”.

Segundo os CTT, o gestor demissionário “assumiu, entretanto, compromissos pessoais e profissionais” e “considera ser do interesse da sociedade não se manter em funções até à data da próxima assembleia geral eletiva, a ocorrer em 2020″.

“Atento o referido, o Conselho de Administração deliberou, na sua reunião de hoje [quarta-feira] e no exercício das suas competências, cooptar, em sua substituição, e até à realização da referida assembleia geral eletiva em 2020, João Gaspar da Silva, diretor de operações nos CTT, produzindo a cooptação os respetivos efeitos a 6 de janeiro de 2020″, informa a mesma nota, remetida esta quarta-feira à CMVM.

A empresa conclui a nota, indicando que a cooptação do diretor de operações “será submetida a ratificação da próxima assembleia geral” da empresa.

Saída é “opção tomada em verdadeira liberdade”

O administrador demissionário dos CTT, Francisco Simão, garante que a opção de deixar a empresa foi “tomada em verdadeira liberdade” e diz que sai “amigo da empresa e de todos os colaboradores”. A informação faz parte de uma mensagem divulgada internamente pelo próprio, a que o ECO teve acesso.

“Nem todas estas histórias de gestores a sair de empresas têm de ter um sabor triste ou estranho. Gostava que esta pudesse ter uma cor mais viva. Tenho um sentido profissional que implica uma noção de serviço e é importante para mim ter claro o propósito em casa momento”, escreve Francisco Simão.

“Vou dedicar-me a projetos pessoais e familiares que sinto que devo fazer e que se não fizesse não me sentia bem. Vou ainda testar um par de ideias que algum dia gostava de testar e se não for agora não mais será”, revela. A saída é, “portanto, uma opção tomada em verdadeira liberdade, discernida, sempre com algum risco, mas muito consciente”.

(Notícia atualizada às 18h11 com carta interna de Francisco Simão)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Diretor de operações cooptado para a administração dos CTT

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião