Marcelo defende aumento que foi dado aos salários dos juízes

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu urgência de um Pacto de Justiça, tal como o fez no ano passado, na mesma cerimónia.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, marcou presença na sessão de abertura do ano judicial e defendeu que estamos “num tempo de mudança com inúmeros e cumulativos desafios na Justiça”. Examinemos alguns desses desafios, lançou Marcelo Rebelo de Sousa: “o da manutenção do prestígio da Justiça. Prestígio social e institucional”.

É necessário “um Estado de direito democrático forte e virado para o futuro precisa de uma Justiça com respeito e consideração. E, para isso, com instituições e pessoas que a sirvam devem ser pilares de confiabilidade”. O PR disse ainda que a alegada justiça aplicada “pelas próprias mãos ou sujeita a princípios mediático” deve ser evitado.

“No reino da paixão, ressurgirá o apelo da razão.”, espera Marcelo Rebelo de Sousa.

A cerimónia que decorreu no Palácio da Ajuda, em Lisboa, foi encerrada pelo Chefe de Estado que sublinhou ainda que tem de se dar atenção à Justiça na vertente de “os direitos humanos perante violências cada vez mais sofisticados, na fiscalidade, na vida económica e financeira, no relacionamento com a Administração Pública”.

Falando do prestígio social da Justiça, falou no passo significativo e admitiu não compreender a crítica de “magistrados terem estatuto remuneratório de PM e mais próximo do PR. Não consegui perceber o racional de tais perplexidades. Remunerar parcialmente as magistraturas era premente”, defende assim Marcelo, referindo-se aos aumentos salariais dos juízes. E alerta: “A Justiça deve ter a prioridade que não teve em anteriores Governos”.

O Chefe de Estado voltou a referir a necessidade de um Pacto de Justiça. Falando não em pacto, mas em “convergências”. Embora “tímidos”, Marcelo assumiu que as forças políticas deram alguns passos. Mas apela a “passos maiores”. E assume que devem existir “resultados palpáveis” e “diálogo e convergência dos parceiros da Justiça”. Com um objetivo claro, embora não único, “de combate à corrupção”.

O chefe de Estado afirmou recentemente, na sua mensagem de ano novo, a necessidade de um Governo “forte, concretizador e dialogante” que dê resposta aos problemas dos portugueses e fixou prioridades claras para 2020, com a Saúde em destaque. O Presidente da República pediu ainda uma “justiça eficaz”, umas forças armadas e umas forças de segurança que sejam reconhecidas por todos, uma comunicação social que resista à crise que atravessa e um poder local que seja “penhor” de maior coesão social.

A sessão de abertura do ano judicial contou ainda com as intervenções do novo bastonário da Ordem dos Advogados, Luís Menezes Leitão; da ministra da Justiça, Francisca Van Dunem; da procuradora-geral da República, Lucília Gago; do presidente do Supremo Tribunal de Justiça, António Joaquim Piçarra; e do presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo defende aumento que foi dado aos salários dos juízes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião