Coronavírus continua a penalizar bolsas. Wall Street cai 2%

Os principais índices de Nova Iorque continuam a ser penalizados pelo coronavírus. Empresas do setor do turismo estão com perdas acentuadas.

As principais bolsas dos Estados Unidos abriram em queda, novamente prejudicadas pelas preocupações à volta do vírus oriundo da China. O coronavírus está a penalizar pesos pesados tecnológicos, mas também várias empresas ligadas ao setor turístico.

O índice de referência S&P 500 está a desvalorizar 1,61% para 3.242,30 pontos, acompanhando pelo tecnológico Nasdaq que cai 2,21% para 9.109,26 pontos. Pelo mesmo caminho segue o industrial Dow Jones ao recuar 1,49% para 28.558,87 pontos.

Este desempenho em Wall Street continua a estar relacionado com o coronavírus, que tem deixado os investidores preocupados. Este vírus já provocou a morte de 81 pessoas, infetando mais de 2.835 casos confirmados, tendo-se propagado para mais de dez países.

As ações mais prejudicadas foram as agências de viagens, incluindo companhias aéreas, casinos e hotéis, dada a afluência do turismo que a China tem, e que está neste momento interrompida. A Wynn Resorts está a perder 7,23% e a Melco Resorts & Entertainment recua 8,71%, duas empresas com operações na China. A United Airlines e a American Airlines caiam 5,14% e 7,41%, respetivamente.

Este vírus também prejudicou o desempenho de vários pesos pesados do setor tecnológico, como a Apple, que cai 2,7%, a Alphabet, que recua 2,4%, e a Amazon que desvaloriza 1,78%.

O coronavírus não validará ou invalidará os múltiplos atuais do mercado, apenas vai aumentar a volatilidade devido à incerteza das coisas“, afirmou David Bahnsen, diretor de investimentos do The Bahnsen Group, citado pela Reuters (conteúdo em inglês).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus continua a penalizar bolsas. Wall Street cai 2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião