Ministro Siza Vieira adverte que regras que orientam economia tradicional vão ter de mudar

  • Lusa
  • 29 Janeiro 2020

O ministro de Estado e da Economia defendeu a tese de que os desafios que Portugal enfrenta ao nível da transição digital e da automação vão provocar mudanças na economia e sociedade tradicional.

O ministro de Estado e da Economia advertiu esta quarta-feira que as regras que orientam a economia e a sociedade tradicional vão de ter de mudar em função das mudanças que serão operadas pelo digital e pela automação.

Esta mensagem foi transmitida por Pedro Siza Vieira na intervenção de abertura do segundo e último dia de Jornadas Parlamentares do PS, em Setúbal, durante a qual falou sobre as consequências da digitalização e da automação em relação ao mercado de trabalho.

Perante os deputados socialistas, o ministro de Estado e da Economia defendeu a tese de que os desafios que Portugal enfrenta ao nível da transição digital e da automação “vão exigir recursos muito avultados”.

“Precisamos de alinhar os instrumentos financeiros nacionais, os recursos orçamentais e as verbas que nos vão chegar do próximo quadro comunitário de apoio, à volta desses desafios. Várias áreas governativas, desde a educação, ensino superior, administração pública e economia, têm de trabalhar juntos e com o parlamento. As regras que orientam a nossa economia e sociedade tradicional vão precisar de mudar em função das alterações que a sociedade digital vai trazer”, advertiu o membro do Governo.

Pedro Siza Vieira considerou mesmo que Portugal, assim como muitos outros países, se confronta com “um mundo de oportunidades e de ameaças”.

No entanto, para o “número dois” do Governo liderado por António Costa, a transição digital “pode ser a alavanca de aceleração do crescimento económico do país”.

“O recurso mais importante que temos é a capacidade de trabalho, a inteligência e a resistência dos portugueses. Numa economia em que aquilo que mais interessa é o conhecimento, talvez seja a nossa a oportunidade para darmos um salto de desenvolvimento”, sustentou.

Para Pedro Siza Vieira, porém, “o país tem ainda muitas coisas por fazer para poder aproveitar essas oportunidades” do digital, começando “pela capacitação das pessoas, pela forma como os jovens aprendem nas escolas e pela capacidade de requalificação da população ativa, sobretudo das gerações mais velhas”.

“Temos de conseguir transformar digitalmente as nossas empresas. Neste aspeto, 25% das nossas empresas têm um grau de maturidade digital ao nível dos melhores do mundo, mas três quartos não estão ainda preparadas”, referiu o ministro de Estado e da Economia.

De acordo com o membro Governo, “é preciso estimular o aparecimento de novas empresas que desenvolvam novos modelos de atividade e novos produtos e serviços à volta da economia digital”.

“Precisamos de um Estado e de uma administração pública que seja aberta, ágil e transparente, funcionando do ponto de vista digital e que esteja plenamente conectada com a economia e com a sociedade, sendo ainda um motor de transformação”, acrescentou Siza Vieira.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministro Siza Vieira adverte que regras que orientam economia tradicional vão ter de mudar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião