Lisboa e Cascais concentram maioria dos vistos gold. Porto atrás de Oeiras e Palmela

  • ECO
  • 2 Fevereiro 2020

A maioria dos vistos gold para compra de imóveis concentrou-se em Lisboa e Cascais, e o Porto só registou 1% destas autorizações de residência. Concelho fica mesmo atrás de Oeiras e Palmela.

O Governo quer acabar com os vistos gold nas áreas metropolitanas e em todas as comunidades intermunicipais do litoral, numa tentativa de canalizar investimento para os territórios do interior. No entanto, a maioria destas autorizações de residência para investimento concentram-se apenas em Lisboa e Cascais, avança o Público (acesso condicionado) este domingo.

Segundo o jornal, que cita dados do Governo e do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), dos 7.272 vistos gold que foram atribuídos para a compra de imóveis no valor igual ou superior a meio milhão de euros — o principal fator usado pelos investidores para obterem estes vistos em Portugal –, “a maioria” diz respeito a Lisboa e Cascais. O concelho do Porto representa 1% dos vistos concedidos, enquanto Setúbal teve apenas três vistos gold em cinco anos.

Desde 2012 até ao final de 2017, o concelho de Lisboa concentrou 47% dos vistos gold que foram atribuídos, ou cerca de 2.423 vistos, ligados ao imobiliário, enquanto Cascais concentrou 13%, ou 672 vistos, segundo o Público. O Porto registou apenas 31 vistos, cerca de 1% do total, ficando mesmo atrás de outros concelhos da Área Metropolitana de Lisboa, como Oeiras, Sintra, Palmela e Almada.

Os vistos gold foram um instrumento criado para canalizar investimento estrangeiro para o país, sendo que a esmagadora maioria destes vistos tem sido atribuída pela compra de imóveis no valor igual ou superior a meio milhão de euros. Mas o Governo e o PS declararam “guerra” a este instrumento no âmbito do Orçamento do Estado para 2020, responsabilizando os vistos gold pelos preços elevados praticados no mercado imobiliário. O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, falou mesmo num “crime lesa-pátria”.

A intenção é, por isso, a de pôr fim a este instrumento em Lisboa e Porto e no litoral, numa tentativa de canalizar investimento para o interior. Ora, os dados do Público indicam que Lisboa e Cascais são mesmo as regiões do país que mais atraem investimento através destas autorizações de residência, depois de Eurico Brilhante Dias, secretário de Estado da Internacionalização, ter garantido ao ECO que a procura “em Lisboa e Porto” é excessiva.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa e Cascais concentram maioria dos vistos gold. Porto atrás de Oeiras e Palmela

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião