Boris Johnson declara guerra a protecionistas como a UE

  • Lusa
  • 3 Fevereiro 2020

O primeiro ministro diz pretender um acordo de comércio livre, semelhante ao do Canadá, acrescentando uma referência à possibilidade de uma ausência de acordo.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, quer tornar o Reino Unido num defensor do comércio livre no mundo, invocando a imagem de um super-herói para declarar guerra aos “mercantilistas e protecionistas”, incluindo a União Europeia.

“A humanidade precisa de um governo que esteja disposto a defender vigorosamente as trocas livres, de um país pronto para tirar os óculos de Clark Kent, entrar na cabine telefónica e emergir com a capa flutuando como um paladino fortalecido do direito dos povos mundiais de comprar e vender livremente entre si”, afirmou esta segunda-feira, num discurso em Londres.

Perante uma audiência de dirigentes de empresas e embaixadores estrangeiros, reunidos simbolicamente no Museu Marítimo Nacional, Johnson alegou que “o comércio está a ser sufocado” pela política externa das grandes potências.

“Os mercantilistas estão por todo o lado, os protecionistas estão a ganhar terreno. De Bruxelas à China e Washington, tarifas [aduaneiras] estão sendo agitadas como bastões”, lamentou.

O discurso, apenas três dias depois da saída formal do Reino Unido da UE, pretendeu definir o rumo do Governo britânico para as negociações pós-Brexit com a União Europeia (UE), e Johnson vincou o desejo de negociar um acordo comercial sem um alinhamento próximo com o mercado único europeu.

“Dizem-nos muitas vezes que devemos escolher entre o acesso total ao mercado da UE, aceitando ao mesmo tempo as suas regras e tribunais à semelhança da Noruega, ou um acordo de livre comércio ambicioso, que abre mercados e evita toda a panóplia de regulamentação da UE, a exemplo do Canadá”, disse.

Fizemos nossa escolha: queremos um acordo de comércio livre, semelhante ao do Canadá“, afirmou, acrescentando uma referência à possibilidade de uma ausência de acordo, acabando com um relacionamento como o que a UE tem com a Austrália.

O primeiro-ministro recusou as exigências de Bruxelas de condições equitativas entre o Reino Unido e a UE, nomeadamente o alinhamento legislativo em termos de direito laboral, ambiental, fiscal e de ajudas estatais a empresas, garantindo que o país não está a planear “qualquer tipo de ‘dumping’, seja comercial, social ou ambiental”.

“Não há necessidade de um acordo de comércio livre que envolva a aceitação de regras da UE em matéria de política de concorrência, subsídios, proteção social, meio ambiente ou algo semelhante, mais do que a UE deve ser obrigada a aceitar as regras do Reino Unido. O Reino Unido vai manter os mais altos níveis nessas áreas – melhor, em muitos aspetos, do que os da UE – sem a obrigação de um acordo”, prometeu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Boris Johnson declara guerra a protecionistas como a UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião