Everest Re reporta lucro 10 vezes superior ao de 2018

  • ECO Seguros
  • 17 Fevereiro 2020

A Everest Re, companhia de resseguro e seguro alcançou em 2019 ganhos líquidos que decuplicam os do ano anterior. O rácio combinado melhorou dos 108,8% de 2018 para 95,5% no ano passado.

A Everest Re, companhia de resseguro e seguro, reportou lucros de 1 009,5 milhões de dólares em 2019, um aumento superior a 1 000% face a 89,5 milhões em 2018. Depois de impostos, o resultado operacional totalizou 872,4 milhões de dólares, mais do que a triplicar os 237 milhões de um ano antes.

Citando no comunicado do grupo, Juan Andrade, CEO da Everest Re, comentou os números salientando tratar-se do “melhor resultado alcançado desde 2014”, a refletir-se na rendibilidade dos capitais próprios (RoE), agora situada em 12%. “Os números traduzem a solidez e a diversificação do nosso negócio, a robustez na atividade de subscrição e nas operações de investimento”, acrescentou.

O valor bruto de prémios cresceu 8% face ao exercício precedente, totalizando 9,1 mil milhões de dólares. A atividade de resseguros, que representa 70% da atividade da Everest Re, cresceu 2% em prémios, para 6,4 mil milhões, enquanto os prémios em seguros progrediu 23%, até aos 2,8 mil milhões de dólares. O exercício encerrou com um rácio combinado de 95,5%, a melhorar mais de 13 p.p. face aos 108,8% do ano anterior.

O desempenho apresentado beneficiou da progressão nos ganhos com comissões e taxas de corretagem; retorno em operações com derivados e acertos positivos na rubrica de amortizações e depreciações.

O grupo Everest Re opera com subsidiárias nos EUA, Europa, Bermudas e outros territórios oferecendo resseguro e seguro nos ramos património e danos, além de outras coberturas gerais (saúde, acidentes) e linhas mais especializadas (soluções à medida para empresas, seguros financeiros, desportos e lazer).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Everest Re reporta lucro 10 vezes superior ao de 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião