Mota-Engil ganha dois projetos na América Latina de 315 milhões de euros

Empresa vai construir uma barragem na Colômbia, num projeto avaliado em 270 milhões de euros, bem como um troço de 24 km de uma estrada no México, num investimento de 45 milhões de euros.

A Mota-Engil fechou dois novos contratos de construção na América Latina, avaliados globalmente em 315 milhões de euros. O maior é na Colômbia, onde a construtora portuguesa vai construir uma barragem.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), nesta segunda-feira, a Mota-Engil dá conta da assinatura de um contrato para um projeto hidroelétrico na Colômbia, com um montante global de 270 milhões de euros.

Este contrato de construção “terá uma duração estimada de 46 meses e contempla a construção de uma central de produção de energia para a Talasa ProjectCo, sociedade veículo de capitais maioritariamente chineses, entre os quais da China Communications Construction Company) e da China Three Gorges Corporation”, dá nota o comunicado enviado ao regulador.

No mesmo comunicado a construtora liderada por Gonçalo Moura Martins dá ainda conta da recente assinatura de um contrato para a construção de uma estrada no México. Nomeadamente, um novo troço de 24 quilómetros da estrada Barranca Larga-Ventanill, no valor de 45 milhões de euros e que tem um prazo de construção de 540 dias.

“A adjudicação destes contratos é mais um exemplo relevante da dinâmica comercial da Mota-Engil na América Latina, continuando aquela região a afirmar-se como potenciadora do desenvolvimento do grupo”, diz a construtora.

Ainda em meados de dezembro, a casa mãe anunciou que a Mota-Engil México foi autorizada a comprar a concessionária da Autopista Cuapiaxtla-Cuacnopalan, que tem uma extensão de 63 quilómetros. A operação, detida a 100% pela Mota-Engil México, associada a um fundo de investimento, tem um prazo de 30 anos após o fecho financeiro, incluindo 24 meses de período de construção para executar cerca de 140 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil ganha dois projetos na América Latina de 315 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião