VIG compra 20% da startup ViveLaCar

  • ECO Seguros
  • 17 Fevereiro 2020

A startup alemã desenvolveu uma plataforma flexível e colaborativa em soluções de mobilidade e conquistou o apoio acionista da seguradora para avançar já no mercado austríaco e da Suíça.

O grupo Vienna Insurance (VIG) anunciou a aquisição de uma participação em torno dos 20% do capital social da ViveLaCar GmbH, sediada em Estugarda.

Citada num comunicado, Elisabeth Stadler, CEO da Vienna Insurance, salienta: “Esta solução alternativa de mobilidade simples e transparente convenceu-nos. Eliminando requisitos como o registo de propriedade, mas garantindo mobilidade sempre que necessário, a solução responde também à ideia da economia colaborativa. Quando tudo pode ser feito digitalmente sem risco para o cliente, sem formalidades contratuais e papelada oficial, ou preocupações com a manutenção do veículo, alcançamos o patamar das soluções de mobilidade desburocratizadas”.

Colaborando com uma rede alargada de marcas e concessionários automóveis, a empresa germânica tem como mercado alvo clientes e grupos com necessidades específicas de mobilidade, como expatriados deslocados a trabalhar em projetos dos empregadores, empresas que precisem de ajustar necessidades de frota por tempo limitado ou jovens recém-licenciados em situação de transição para o mercado de trabalho.

A solução assemelha-se aos serviços prestados pelas agências de viagens, mas diferencia-se pela flexibilidade e pelas sinergias que proporciona no ecossistema. Visando targets específicos com necessidade de mobilidade por períodos de tempo relativamente curtos, a plataforma digital da ViveLaCar oferece automóveis com um tempo de registo máximo de dois anos (viaturas de serviço, ou de teste) disponíveis numa rede de marcas e concessionários autorizados.

Além de proporcionar acesso a automóveis que beneficiam de garantia de marca e serviços de assistência a cargo dos parceiros, a solução tem a vantagem de permitir aos concessionários otimizar a gestão de inventário e rentabilizar as viaturas reduzindo o período em que são mantidas em stock (entre um e dois anos, antes de serem colocados no mercado de seminovos e usados com garantia).

Mathis Albert, fundador e CEO da ViveLaCar, observa: ”A análise num estudo de tendências mostrou-nos que uma em cada duas pessoas está interessada em testar um carro elétrico numa base de utilização diária durante um determinado período de tempo. Antes de decidir uma eventual compra, o consumidor quer perceber se a experiência de condução nesta categoria de veículos satisfaz as suas expectativas. A nossa solução inovadora proporciona a oportunidade de testar um elétrico sem qualquer risco”.

A startup opera no mercado alemão desde a primavera de 2019. Atualmente dispõe de uma oferta composta por 200 modelos diferentes, de aproximadamente 20 marcas em 300 pontos de distribuição na Alemanha. De acordo com números da startup os clientes subscrevem o serviço por um período médio superior a seis meses.

Para suportar a expansão na Áustria e na Suíça, a empresa abriu a filial ViveLaCar Wien. O objetivo para 2020 é potenciar a cobertura dos mercados austríaco suíço e alemão.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

VIG compra 20% da startup ViveLaCar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião