Bancos portugueses arriscam imparidades com exposição a Isabel dos Santos, diz Fitch

Fitch diz que banca portuguesa pode ter de constituir imparidades para acautelar financiamentos dados a Isabel dos Santos. Mas exposição à empresária angolana "é gerível", refere a agência.

Os bancos portugueses têm uma exposição de, pelo menos, 570 milhões de euros a Isabel dos Santos e às suas empresas. A polémica com o Luanda Leaks pode obrigar as instituições financeiras a ter de constituir imparidades para fazer face a eventuais incertezas em relação ao futuro da empresária angolana, considera a agência Fitch.

“A exposição a Isabel dos Santos e às suas empresas poderá implicar riscos de imparidades, mas estas exposições são geríveis em termos da dimensão“, refere a agência de rating numa nota publicada esta quarta-feira.

Segundo o jornal Expresso, o Banco de Portugal já pediu aos bancos para avaliarem se todos os financiamentos à filha do ex-Presidente de Angola José Eduardo dos Santos estão cobertos por imparidades de forma adequada. Mais de metade dos créditos estão concentrados em apenas três bancos. A grande maioria dos empréstimos tem a ver com os investimentos de Isabel dos Santos na Efacec, que já foi colocada à venda (assim como o banco EuroBic).

A Fitch adianta que a vaga de investigações relacionadas com lavagem de dinheiro em torno de altas figuras angolanas com contas bancárias em Portugal “está a reduzir o apetite de alguns bancos portugueses por ligações a Angola”. E se as instituições lusas reduzirem ainda mais a exposição a Angola isso será positivo “tendo em conta o ambiente operacional fraco em Angola e as deficiências de governação” no país.

Na nota, a agência lembra que os bancos dos dois países tem beneficiado com esta ligação que é histórica. “Os bancos portugueses providenciaram capital e know-how ao setor bancário angolano e foram úteis no seu desenvolvimento. Subsidiárias de bancos portugueses em Angola têm tido destaque no país e foram contribuintes substanciais para os lucros das casas mãe, particularmente enquanto a economia de Angola beneficiou da subida dos preços do petróleo em 2014″, conta a Fitch.

De acordo com os cálculos da agência, as operações angolanas contribuíram com mais de 230 milhões de euros para os lucros dos seis principais bancos portugueses em 2013-2014, mitigando as perdas das operações domésticas naquele período. Entretanto, Angola já só contribuirá com 100 milhões atualmente.

Entre outros, estão presentes em Angola a Caixa Geral de Depósitos (na Caixa Geral Angola), BCP (no Millenium Angola), Novo Banco (no Banco Económico) e BPI (no BFA).

A Fitch recorda que, face ao “ambiente operacional de Angola mais volátil”, vários bancos portugueses já saíram ou reduziram a suas posições nos bancos angolanos, “sob pressão do regulador”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos portugueses arriscam imparidades com exposição a Isabel dos Santos, diz Fitch

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião