TdC diz que crítica do Governo à auditoria ao Ensino Superior “não é aceitável”

O Tribunal de Contas considera que as críticas do Governo à sua auditoria sobre o financiamento do Ensino Superior entre 2016 e 2019 carecem de fundamento. Diz mesmo que "não são aceitáveis".

O Tribunal de Contas (TdC) “chumbou” o modelo de financiamento do Ensino Superior. O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior não gostou, acusando-o de emitir um parecer de “índole política”, levando o organismo liderado por Vítor Caldeira a rebater as críticas, afirmando que estas “carecem de fundamento”. Neste sentido, considera que as críticas não são aceitáveis.

A entidade que fiscaliza a legalidade das receitas e despesas do Estado alertou para a falta de critérios de desempenho e qualidade na canalização de dinheiros públicos para as instituições de Ensino Superior, pedindo assim maior controlo sobre os 1,1 mil milhões que foram transferidos do Orçamento do Estado.

A avaliação dos juízes, que já tinha merecido reparos no mesmo relatório, acabou por ser duramente criticada pelo titular da pasta do Ensino Superior após a publicação. Em declarações à TSF, o ministro Manuel Heitor afirmou que as recomendações do TdC são “um elogio à burocracia” e estão manchadas por uma avaliação política. Disse ainda que o relatório do TdC “não aponta qualquer ilegalidade no processo do financiamento do ensino superior” e que “limita-se a uma avaliação geral, de lugares-comuns de índole política”.

Face a estas afirmações, o TdC emitiu um comunicado, repudiando as críticas. Respondendo à crítica de que os contributos dados pelo seu ministério não foram tidos em conta, garante que “tem o máximo respeito pela opinião dos auditados”. No entanto, considera que “a afirmação de que o relatório de auditoria se limita ‘a uma avaliação de índole política’, carece de fundamento, não sendo por isso aceitável”.

O Tribunal assegura ainda que “continuará a cumprir as suas funções com respeito pelos princípios da independência, isenção e imparcialidade, em nome do superior interesse público, na defesa dos interesses dos cidadãos e contribuintes”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TdC diz que crítica do Governo à auditoria ao Ensino Superior “não é aceitável”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião