Dívida pública caiu para 118,2% do PIB em 2019

Dívida pública na ótica de Maastrich, que conta para Bruxelas, caiu para 118,2% do PIB em dezembro de 2019, sendo que em 2018 se fixou em 122,2%. Redução da dívida é superior à estimativa do Governo.

A dívida pública na ótica de Maastrich, que é a relevante para o cumprimento do Pacto de Estabilidade, caiu para 118,2% do Produto Interno Bruto (PIB) em dezembro de 2019, de acordo com o Boletim Estatístico do Banco de Portugal divulgado esta quinta-feira. No mesmo período do ano anterior tinha-se fixado em 122,2% do PIB.

Este valor significa que a redução da dívida pública foi superior àquela estimada pelo ministro das Finanças, Mário Centeno. No relatório do Orçamento do Estado (OE) para 2020, a previsão era que a dívida pública em percentagem do PIB fosse 118,9%. A dívida pública foi de 249.740 milhões de euros, em termos absolutos.

Quanto à dívida pública líquida de depósitos das Administrações Públicas, esta foi de 111,3% em dezembro de 2019, segundo os dados do Banco de Portugal. A previsão do Governo era que se fixasse em 111,5% do PIB, de acordo com o relatório do OE. Em termos absolutos, a dívida pública líquida de depósitos foi de 235.250 milhões de euros.

Peso da dívida face ao PIB

Fonte: Banco de Portugal

para 2020, o Governo prevê uma redução adicional do rácio da dívida pública em percentagem do PIB para 116,2%. Este é um dos indicadores que mais peso tem na avaliação das agências de rating ao risco da República. Neste momento, Portugal beneficia dos juros baixos, mas se a política acomodatícia do Banco Central Europeu mudar e os juros comecem a subir, volta a aumentar a pressão sobre as contas públicas.

(Notícia atualizada às 12h00)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida pública caiu para 118,2% do PIB em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião