Empresas de Isabel dos Santos na Madeira regularizadas

  • ECO
  • 21 Fevereiro 2020

Niara Holding e a Dorsay, a quem tinham sido abertos procedimentos administrativos com vista à dissolução, já regularizaram os registos de prestação de contas.

A Niara Holding e a Dorsay, duas sociedades detidas por Isabel dos Santos na Zona Franca da Madeira a quem tinham sido abertos procedimentos administrativos com vista à dissolução por falta de prestação de contas, já regularizaram as respetivas situações.

A ação administrativa tinha sido desencadeada pelo Registo Comercial e Cartório Notarial Privativos da Zona Franca da Madeira há duas semanas, depois de ter verificado que não tinha nos seus registos informação financeira das duas sociedades relativa aos anos de 2017 e de 2018. A falta do registo da prestação de contas durante dois anos consecutivos pode determinar o fecho de uma empresa.

Ao que o ECO apurou, esta situação deveu-se a um lapso dos serviços do Instituto dos Registos e Notariado (IRN) e que as obrigações de prestação de contas foram cumpridas e que ambos os processos estão regularizados.

Uma fonte das empresas explicou que os registos da Informação Empresarial Simplificada (IES) da Niara Holding e Dorsay relativos aos anos de 2017 e 2018 foram devidamente submetidos no IRN dentro dos prazos. Porém, “por lapso do sistema informático”, as duas sociedades não estavam registadas (como deviam) como sociedades “Zona Franca da Madeira”, que estão isentas de emolumentos. Devido a esse lapso no registo, aguardava-se o pagamento dos respetivos emolumentos, o que deu origem à situação de irregularidade de “não prestação de contas”.

O ECO contactou o IRN, mas não obteve uma resposta até à publicação do artigo.

A situação foi entretanto retificada, procedendo-se à regularização dos registos de prestação de contas das sociedades.

(Notícia atualizada pela última vez às 12h03 do dia 27 de fevereiro com situação de regularização das empresas)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas de Isabel dos Santos na Madeira regularizadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião