Avaliação das casas atinge novo máximo. Está nos 1.330 euros por metro quadrado

Valor a que os bancos estão a avaliar os imóveis para efeitos de concessão de crédito para a compra subiu para 1.330 euros, em janeiro. Trata-se de um novo máximo de mais de uma década.

O valor que os bancos atribuem às casas para efeitos de concessão de crédito voltou a aumentar no primeiro mês do ano, atingindo um novo máximo. De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), o valor do metro quadrado subiu pelo 34.º mês consecutivo, fixando-se nos 1.330 euros, em janeiro, máximo de mais de uma década.

Entre dezembro e janeiro foi registado um aumento de nove euros (0,7%) no valor da avaliação bancária, sendo que se a comparação for feita com janeiro de 2019, verifica-se que o valor médio das avaliações cresceu 8,5%, ou o equivalente a 104 euros.

O preço médio da avaliação bancária das casas fixado no primeiro mês deste ano é o mais elevado do histórico do gabinete público de estatísticas, cujo início remonta a setembro de 2008.

Evolução da avaliação bancária em Portugal

Fonte: INE

O continuado aumento da avaliação bancária leva a que, por exemplo, um imóvel de 100 metros quadrados estivesse avaliado em janeiro em 133 mil euros, em média. Ou seja, mais 10.400 euros em comparação com o mesmo mês do ano passado.

Alentejo lidera subidas. Algarve mantém os valores mais altos

A avaliação bancária das casas subiu em quase todas as regiões do país no primeiro mês de 2020, com o Alentejo a registar a maior subida (1,2%) face a dezembro, mantendo-se ainda assim com o segundo valor médio mais baixo do país: 1.088 euros/m2. Em sentido contrário, apenas a Região Autónoma da Madeira que registou uma redução de 0,1% na avaliação, para os 1.411 euros/m2.

Por sua vez, o Algarve não registou, em termos mensais, qualquer alteração no valor atribuído aos imóveis pelos bancos. Este manteve-se nos 1.742 euros/m2, o patamar mais elevado do país, com a Área Metropolitana de Lisboa a continuar a ser a segunda região do país mais “cara”. Entre dezembro e janeiro, a avaliação das casas nessa área metropolitana subiu 0,7%, para os 1.650 euros/m2, em média.

Já em termos homólogos, todas as regiões do país apresentaram incrementos na avaliação bancária. A taxa de variação homóloga mais elevada para o conjunto das avaliações verificou-se no Norte (9,2%), seguida da Área Metropolitana de Lisboa (9,1%). Por sua vez, a menor subida foi registada na Região Autónoma da Madeira (6,7%)

(Notícia atualizada às 11h35 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Avaliação das casas atinge novo máximo. Está nos 1.330 euros por metro quadrado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião