Queixas contra SEF quase triplicam nos primeiros meses de 2020

As reclamações contra o SEF quase triplicaram, nos primeiros dois meses do ano. As queixas vêm, sobretudo, de estrangeiros que tentam regularizar a sua situação em Portugal.

Nos primeiros dois meses de 2020, as reclamações contra o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) quase triplicaram, em relação ao período homólogo. De acordo com o Portal da Queixa, foram registadas 126 reclamações até 29 de fevereiro, ou seja, em média cerca de duas por dia.

No último ano, entre o início de janeiro e o final de fevereiro, tinham sido registadas 50 queixas. Este ano, subiram para 126 as reclamações registadas neste período, isto é, quase que triplicaram em comparação com o período homólogo. “A média dos dados revela que, no período analisado, foram realizadas contra o SEF, pelo menos, duas reclamações por dia“, frisa o Portal da Queixa, a maior rede social de consumidores em Portugal.

Entre as queixas registadas em 2020, 63 estão relacionadas com a intenção de cidadãos estrangeiros regularizarem a sua situação em Portugal.

O número de queixas dirigidas ao SEF já tinha registado, de resto, um aumento significativo em 2019 de 310 reclamações em 2018 para 707 reclamações. Em causa estava um salto de 128%.

A demora na entrega dos documentos e os problemas com agendamento foram os principais motivos de reclamação, particularmente entre os estrangeiros que se querem regularizar em Portugal.

Das queixas registadas em 2019, 236 diziam respeito a problemas com agendamento (tinham sido 96 em 2018), 289 diziam respeito à demora na entrega de documentos (tinham sido 155 no ano anterior) e 62 diziam respeito ao mau atendimento (tinham sido 28 no ano homólogo).

Além disso, na sua página no Portal da Queixa, o SEF tem uma nota de apenas 12,5 em 100 no Índice de Satisfação. Nos últimos 12 meses, a taxa de resposta do SEF foi de 10,8% e a taxa de solução foi de 11,2%.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Queixas contra SEF quase triplicam nos primeiros meses de 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião