Correia de Campos desiste de reeleição para a presidência do Conselho Económico e Social

  • Lusa
  • 3 Março 2020

António Correia de Campos, indicado pelo PS para um segundo mandato como presidente do CES, falhou pela segunda vez a recondução na sexta-feira. O antigo ministro da Saúde retirou-se do processo.

O antigo ministro da Saúde António Correia de Campos retirou-se da eleição a um segundo mandato à frente do Conselho Económico e Social (CES), depois de dois ‘chumbos’ do Parlamento, revelou esta terça-feira à Lusa.

“Não vou candidatar-me à terceira eleição. Não vou, por razões puramente pessoais, as mesmas razões pelas quais me candidatei em dezembro e, agora, são as mesmas razões, pelas quais tenho de guardar reserva”, afirmou António Correia de Campos.

Não vou candidatar-me à terceira eleição. Não vou, por razões puramente pessoais, as mesmas razões pelas quais me candidatei em dezembro e, agora, são as mesmas razões, pelas quais tenho de guardar reserva.

Correia de Campos

A Assembleia da República voltou a ‘chumbar’ na sexta-feira o nome de Correia de Campos para um segundo mandato na presidência do CES, depois de uma primeira recusa em dezembro do ano passado.

Correia de Campos disse aguardar que seja encontrado o seu sucessor, sem pedir qualquer celeridade no processo e recusando qualquer mágoa. “Vivemos num processo democrático, a Assembleia da República [AR] é um órgão de soberania, tem regras constitucionais para a designação de certos órgãos, como é o caso da presidência do CES, essas regras são muito exigentes, impõem uma maioria de dois terços”, declarou.

“Foram totalmente cumpridas essas regras, não foi eleito o candidato apresentado, ponto final. Não tenho de ter nenhuma mágoa nem nenhuma satisfação, o meu papel é respeitar totalmente a deliberação da AR, naturalmente”, sublinhou.

Foram totalmente cumpridas essas regras, não foi eleito o candidato apresentado, ponto final. Não tenho de ter nenhuma mágoa nem nenhuma satisfação, o meu papel é respeitar totalmente a deliberação da AR, naturalmente.

Correia de Campos

Questionado igualmente sobre a necessidade de um processo célere para a sua substituição, o antigo ministro respondeu: “Não tenho nenhuma reclamação a fazer, nem nenhuma declaração a apresentar, a AR tem, como órgão de soberania, os seus tempos de processamento, é conhecido que é uma eleição exigente, que exige maioria qualificada, de dois terços”.

“Portanto, a AR saberá encontrar o momento em que se possa pôr de acordo para eleger o meu sucessor”, acrescentou.

Correia de Campos faz um balanço positivo do seu mandato à frente do CES, considerando que contou com “muita sorte” no contexto em que exerceu as suas funções.

“Foi um mandato em que tivemos um período de grande relaxamento social, baixou o nível de conflitualidade social. A essa redução da conflitualidade não é estranho o facto de ter melhorado fortemente o clima económico e ter havido aumentos de vencimentos e melhorias das condições sociais, e, também, o facto de termos na Presidência da República o professor Marcelo Rebelo de Sousa, que imprimiu um cunho de estabilidade relacional com todos os parceiros, de que o CES certamente também beneficiou”, sustentou.

António Correia de Campos, indicado pelo PS para um segundo mandato como presidente do CES, falhou pela segunda vez a recondução na sexta-feira.

Depois de em dezembro ter recolhido 125 votos favoráveis de 209 votantes, na sexta-feira apenas teve 110 ‘sim’ em 219 votantes (82 brancos e 27 nulos), também muito distante dos necessários dois terços.

Em 2016, na primeira vez que foi proposto para presidir ao Conselho Económico e Social, Correia de Campos só à segunda tentativa conseguiu alcançar os dois terços necessários dos votos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Correia de Campos desiste de reeleição para a presidência do Conselho Económico e Social

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião