60% dos hotéis no Algarve com reservas canceladas por causa do coronavírus

  • Lusa
  • 9 Março 2020

Presidente da AHETA diz que é preciso adotar medidas para atrair visitantes dos mercados nacional e espanhol, para compensar as perdas resultantes destes cancelamentos.

O surto de Covid-19 já levou ao cancelamento de reservas em 60% dos hotéis do Algarve para os próximos dois a três meses, disse à Lusa o presidente da principal associação do setor na região.

“Neste momento, o que sabemos e já podemos afirmar é que cerca de 60% dos hotéis tiveram cancelamentos diretos para os próximos dois a três meses e que 40% desses cancelamentos pediram reembolsos de dinheiro dos pagamentos já efetuados”, quantificou Elidérico Viegas.

Em declarações à Lusa, o presidente da Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA) disse que estes valores estão a ser alvo de “levantamento em regime de permanência junto dos hotéis” e podem comprometer a atividade para a Páscoa e para a próxima época alta.

Nesse sentido, defendeu a necessidade de adotar medidas para atrair visitantes dos mercados nacional e espanhol, para compensar as perdas resultantes destes cancelamentos, nomeadamente, a “abolição de portagens” na Via do Infante (A22).

“Abolir as portagens na Via do Infante é uma forma de esbater as perdas resultantes dos cancelamentos diretos e potenciar o turismo de Espanha para cá, mas também o próprio mercado interno”, referiu, lembrando que estes mercados podem chegar à região em transportes privados e sem o risco de contágio em voos ou aeroportos, na base dos cancelamentos já registados.

Segundo Elidérico Viegas, “ainda não houve nenhum caso” de contágio nos hotéis algarvios, no entanto, alertou que é necessário que as autoridades de saúde dotem os hotéis e empreendimentos de manuais com os procedimentos que devem adotar caso surja algum caso dentro das unidades de alojamento.

“O único problema que temos aqui é que as entidades oficiais e responsáveis desta área da saúde continuam sem dotar os hotéis e os alojamentos de manuais de procedimentos para saber como agir em casos suspeitos de infetados”, criticou.

Esta informação “ainda não chegou e já devia ter chegado” e o “bom senso aconselhava” a que as entidades oficiais passassem informação e criassem linhas de apoio telefónico para turistas e para hotéis, para saberem “que procedimentos adotar”.

A mesma fonte esclareceu que os “hotéis, embora não estejam obrigados a devolver o dinheiro, reembolsaram os clientes”, realçando que “os eventos que estavam previstos para os próximos tempos foram todos ou cancelados ou transferidos para o final do ano”, ou para depois do verão.

“Mais preocupante para nós, neste momento, é a diminuição das reservas para a época turística, ou seja, estamos numa situação em que as reservas estão a cair a pique, não por causa dos hotéis, mas pelo receio dos viajantes relativamente a contágios nas viagens de avião e aeroportos”, argumentou.

Elidérico Viegas considerou que o surto provocado pelo novo coronavírus está a ter “um processo evolutivo que se altera a todas as horas”, sendo necessário dar “mais força” ao turismo “quer interno, quer espanhol”, devido” à proximidade até da Páscoa e ao receio de que as pessoas não viajem”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

60% dos hotéis no Algarve com reservas canceladas por causa do coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião