Registos e notariado pedem à ministra para encerrar Lojas do Cidadão por causa do Covid-19

O Sindicato dos Trabalhadores dos Registos e do Notariado quer fechar Lojas do Cidadão, bem como Conservatórias e Nascer Cidadão. O apelo é feito à ministra da Justiça.

O Sindicato dos Trabalhadores dos Registos e do Notariado (STRN) pediu à ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, o encerramento das Lojas do Cidadão por todo o país. Em nota pública aos associados, o pedido surge após a ministra da Saúde ter pedido o encerramento de espaços que tenham mais de 150 pessoas, em Felgueiras e Lousada, como forma de prevenção do Covid-19, isto porque os cidadãos destas localidades vão deslocar-se para as vizinhas.

“Sabendo, que estando encerrados os serviços em Felgueiras e Lousada, não tem o Governo, nas pessoas da ministra da Saúde e da ministra da Justiça, o discernimento necessário para concluir de que as pessoas de Felgueiras e Lousada com necessidades em efetuar os mais diversos pedidos de natureza administrativa vão, imediatamente, circular para a periferia, concretamente para Penafiel, Paços de Ferreira; Guimarães; Paredes, Valongo, Ermesinde, Maia; Porto, Vila Real, pelo que estas Conservatórias, Lojas do Cidadão e Nascer Cidadão deverão ser encerradas“, defende o STRN em comunicado.

O Sindicato defende que todas as unidades de trabalho que agreguem mais de 150 pessoas sejam encerradas a nível nacional, em especial as Lojas do Cidadão, como forma de prevenção. “As grandes Lojas do Cidadão como as de Braga, Porto, Aveiro, Laranjeiras, Odivelas, Saldanha, Marvila, entre outras atendem centenas de pessoas ultrapassando em larga escala, a média de 1.000 pessoas diárias, não esquecendo as grandes unidades orgânicas do IRN, Ip“, nota.

O número de pessoas infetadas pelo novo coronavírus em Portugal subiu esta terça-feira de 39 para 41, revelou a Direção-Geral da Saúde (DGS) na última atualização do boletim epidemiológico. 27 casos localizam-se no norte do país, dois no centro, dez na região de Lisboa e Vale do Tejo e dois no Algarve.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Registos e notariado pedem à ministra para encerrar Lojas do Cidadão por causa do Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião