Governo cria grupo para avaliar situação nos supermercados por causa do vírus

O grupo criado pelo Governo vai avaliar o abastecimento nos setores agroalimentar e do retalho, bem como eventuais situações de perturbação no provimento regular.

O grupo criado para acompanhar e avaliar a evolução da cadeia de abastecimento nos setores agroalimentar e do retalho durante o surto do novo coronavírus, classificado como pandemia pela Organização Mundial de Saúde, vai reunir esta quinta-feira pela primeira vez, no Ministério da Economia.

Entre os objetivos do grupo está a “antecipação de eventuais situações de perturbação no provimento regular ou comportamentos individuais desproporcionais face às necessidades efetivas dos cidadãos”, lê-se numa nota de agenda enviada pelo Gabinete do Ministro de Estado, da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira.

Consoante o evoluir da situação, o grupo criado pelo Governo poderá “delinear, se necessário, medidas preventivas ou corretivas destinadas a manter ou restabelecer as normais condições de abastecimento”. Esta terça-feira já se reportava um “ligeiro aumento da procura de produtos” nos super e hipermercados, mas o funcionamento decorria “com total normalidade”, de acordo com a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição.

Da parte dos agricultores, a Confederação dos Agricultores de Portugal já veio assegurar que não haverá “seguramente” uma rutura na cadeia de abastecimento de produtos alimentares. Na reunião desta quinta-feira vão estar presentes o secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, João Torres, e o secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Nuno Russo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo cria grupo para avaliar situação nos supermercados por causa do vírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião