Covid-19: Cruzeiros turísticos param no Douro e empresas pedem suspensão de taxas

  • Lusa
  • 16 Março 2020

As empresas de cruzeiros do Douro decidiram suspender toda a atividade turística devido à propagação do coronavírus em Portugal. Pedem suspensão imediata da cobrança de todas as taxas de navegação.

As empresas de cruzeiros do Douro decidiram esta segunda-feira suspender voluntariamente todas as atividades turísticas na região para ajudar a combater a pandemia de Covid-19 e solicitaram a suspensão da cobrança das taxas de navegação e acostagem.

A Associação das Atividades Marítimo-Turísticas do Douro (AAMTD), reunida esta segunda-feira, em plenário, deliberou suspender toda a atividade turística no Douro devido à atual situação de emergência em que o país se encontra provocada pelo novo coronavírus.

Decidiu ainda solicitar à Autoridade dos Portos do Douro e Leixões (APDL), gestora da via navegável do Douro, a suspensão imediata da cobrança de todas as taxas sobre a atividade marítimo-turística por “tempo indeterminado, até que a atual situação extraordinária de emergência se mantiver”.

“Entendemos ser da mais elementar justiça esta solicitação e acreditamos que a APDL, dada a sua postura construtiva, estará disponível para aceder à mesma porque compreende, tão bem como nós, o impacto desta situação no setor e as ramificações económicas e sociais que isso significa”, referiu, em comunicado, o comandante Hugo Bastos, porta-voz da associação.

O responsável acrescentou que se está a “falar de centenas de postos de trabalho, da perda de dezenas de milhões de euros para a economia local”.

“Há um impacto direto e muito real neste momento, mas importa tomar medidas preventivas para que esse impacto não se prolongue a médio-prazo e seja possível manter as empresas ativas e garantir a manutenção dos postos de trabalho”, frisou.

A atual “situação extraordinária em que o país se encontra envolvido”, leva a que a AAMTD entenda ser “fundamental criar mecanismos de suporte às empresas do setor, começando desde logo pela suspensão da cobrança de taxas inerentes à atividade que permitirá reduzir os prejuízos sentidos pelas empresas marítimo-turísticas do Douro e, desta forma, ajudar o setor a melhor navegar esta crise”.

Nesse sentido, a AAMTD solicitou que até ao final do mês de maio, os operadores marítimos-turísticos do Douro sejam isentos do pagamento de taxas como a eclusagem, a recolha de resíduos, cais de acostagem, a tarifa de uso do porto, adiante (TUP), entre outras.

A associação referiu que a atividade marítimo-turística no Douro é responsável direta e indiretamente por milhares de postos de trabalho, contribuindo anualmente com dezenas de milhões de euros para a economia da região.

Em 2018, segundo os dados mais recentes disponibilizados no site da APDL – Douro, foram à volta de 1,2 milhões os passageiros que navegaram no rio Douro em embarcações na mesma albufeira, em cruzeiros de um dia, navios hotel ou barcos de recreio.

Por fim, a AAMTD e os seus associados manifestaram a sua solidariedade com toda a população portuguesa, mostrando-se disponíveis para, “dentro do possível, apoiar e ajudar nesta situação extraordinária de emergência”.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou na semana passada que o epicentro da pandemia do novo coronavírus passou da China, origem do surto, para a Europa, onde diversos países acionaram já o fecho das fronteiras.

O novo coronavírus responsável pela pandemia de Covid-19 já provocou mais de 6.400 mortos em todo o mundo. Em Portugal, segundo informou esta segunda-feira a Direção-Geral da Saúde (DGS), o número de infetados pelo novo coronavírus subiu para 331, mais 86 do que os contabilizados no domingo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Cruzeiros turísticos param no Douro e empresas pedem suspensão de taxas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião