Covid-19: Presidente da Mapfre recomenda prudência, mas sem medo

  • ECO Seguros
  • 16 Março 2020

Na assembleia anual da seguradora, António Huertas dirigiu-se aos acionistas abordando o impacto do Covid-19 no cenário económico. Referiu-se a volatilidade e incerteza em Espanha e no mundo.

A seguradora espanhola de raiz mutualista agrária celebrou a reunião anual com acionistas na passada sexta-feira, 13 de março, com um número reduzido de participantes. Face às orientações das autoridades sanitárias espanholas para o atual contexto de ameaça do novo coronavírus, muitos acionistas delegaram votos a representantes e acompanharam a assembleia geral (AG) por canais digitais.

Inevitavelmente, António Huertas Mejías, presidente e CEO da Mapfre, abordou a crise causada pela doença pandémica (Covid-19). Falou de tempos “incertos” apontando um cenário que o gabinete de estudos da seguradora antecipa uma perda de duas a três décimas no crescimento esperado da economia espanhola, reduzindo a taxa de crescimento do PIB em 2020 para 1,4%. Huertas adiantou que a incerteza afetará a implementação da política económica e o compromisso de redução do défice nas contas públicas de Espanha.

Os efeitos da incerteza causada pelo impacto do Covid-19 e da volatilidade que já era evidente no ambiente político (em Espanha) terão “magnitude desconhecida”. Existe “um medo que assola quase o mundo inteiro”, com um “travão” na economia refletindo com “estrondo” nas bolsas, referiu.

No mercado ibérico (Espanha e Portugal), a Mapfre contabilizou 7 718 milhões de euros em montante de prémios, mais 0,8% face a 2018, alcançando um resultado de 498 milhões de euros, em crescimento anual de 3,6%.

No encerramento da AG, Huertas referiu os casos de Itália, Espanha e outros países onde a companhia opera para pedir a clientes, fornecedores, e colaboradores para que atuem com “prudência, mas sem medo”, seguindo sempre as normas das autoridades sanitárias e tratando de não incrementar riscos com as atividades pessoais e profissionais.

Globalmente, a instituição encerrou o exercício de 2019 com um lucro líquido de 609 milhões de euros (+15,2% face a 2018), registando um incremento de 7,1% nas receitas até um montante consolidado de 28 472 milhões de euros. No documento em que divulgou os resultados anuais, a Mapfre destaca um acréscimo de 2,2% no valor e prémios de seguro, para 23 044 milhões de euros.

O rácio combinado fixou-se nos 97,6%, beneficiando da melhoria do indicador nos mercados do Brasil, Latam Norte e Estados Unidos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Presidente da Mapfre recomenda prudência, mas sem medo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião